Arquivo da tag: beleza

Perfeição

O cinema é um pouco responsável por esta visão idealizada das formas femininas. Ângulos, maquiagens, luz, filtros e agora o Photoshop nos dão essa ideia falsa das mulheres da tela. Lindas, perfeitas, eternamente jovens e sedutoras; deusas do sexo e da beleza. Nahhh, falso… mas ainda bem. A fotografia, me dizia Max, “é a arte das mentiras”, pois nos apresenta um fragmento de segundo e nos esconde todos os outros.

Cindy Crawford uma vez disse que adoraria ser “de verdade” como era representada nas propagandas. Ela não se reconhecia nas imagens de si mesma publicadas nas revistas femininas. Eu sabia; no fundo sempre foi tudo mentira, literalmente falso. É óbvio que Scarlett não é como aparenta; é claro também que chegando perto a gente enxerga a idade dos artistas. Quando se espantam com a longevidade da beleza cirúrgica de Cher eu sempre digo “deixe eu olhar pra ela às 7 da manhã, no trajeto entre a cama e o banheiro, que eu digo sua exata idade“.

A mentira não está no real, mas no caminho tortuoso que transita entre o objeto e nosso olhar, e de lá para a nossa mente. Todavia, não vejo sentido em reclamar dos pés de galinha, da barriguinha e dos “furinhos na bunda”. Aliás, o que torna Scarlett bonita, atraente ou “gostosa” é exatamente esta porção de imperfeição que podemos encontrar. Em verdade, talvez seja justo dizer que ela apenas se torna perfeita pelas suas imperfeições. Mais ainda: uma mulher sem imperfeições – onde seja possível pendurar nosso desejo – é um objeto estéril, insosso e inodoro. Serve apenas como uma fotografia em uma parede de borracharia.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

A mais bonita

Em verdade, apesar do natural estranhamento causado por esta afirmação, não existe momento mais pleno de sexualidade do que o parto. Lembro de Ferdinand Celine, médico e polêmico escritor francês, escrevendo “Querem sexualidade de verdade? Procurem no parto“. Quem não concorda, tudo bem.

Vi algumas mulheres defendendo maquiagem e tratamentos para o cabelo para o momento das fotos na maternidade. Não me meto nesses assuntos e acho que cada um faz como quer, mas me incomodou a justificativa: seria para que ela ficasse “mais bonita” quando fosse gravar o momento em imagens.

Acho isso muito estranho, e posso dizer que não há nada mais belo do que a imensa balbúrdia de suores, gemidos, cabelos desgrenhados, lábios inchados e olhos molhados que testemunhamos no momento em que um bebê nasce. Não discuto os diversos conceitos de beleza, que precisam de poses, ângulos, iluminação e acessórios, mas repito que esta beleza crua e selvagem desse momento é muito mais significativa na construção de nossa própria sexualidade.

Bonita para receber seu filho“? Acham mesmo que um bebê vai se importar com a tonalidade do batom? Ou os presentes vão levar isso em consideração? Eu creio que o belo da cena está na superação e na própria vida que se revigora. Claro, uma forma mais sutil de beleza.

Na perspectiva do ser que nasce, inseguro e incompleto, desalojado de sua casa de idílio absoluto, a fagulha de esperança que lhe acalenta é o brilho das duas estrelas que, ao se aproximarem de seu rosto, informam que a única alternativa é o amor. Estas estrelas são os olhos brilhantes e úmidos de sua mãe.

O resto é comércio.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Pensamentos

Morte prematura


images-3

Cinquenta e poucos anos é muito cedo para morrer, e não creio que dá para usar a surrada desculpa de que “viveu 100 anos em 50”, porque essa vivência não inclui uma das fases mais criativas e interessantes da vida: a plena maturidade, o arrefecimento da sexualidade bruta, a velhice e o fim. Não abriria mão de assistir a desintegração do meu corpo e a sabedoria capaz de fluir das cinzas dessa queima. Não faz sentido uma vida em que só a infância e a juventude tenham espaço. Muito do que sei adquiri faz pouco, exatamente pela derivação proporcionada pela paulatina e insidiosa perda do vigor.

Se eu tivesse a oportunidade de escolher minha vida futura fugiria da beleza física, da riqueza e do talento desmedido. É muito difícil ver pessoas profundamente talentosas, belas e ricas felizes e gratas à vida; mais fácil é vê-las prisioneiras de suas virtudes e qualidades. Ter excelência em qualquer área – em especial na arte e no corpo – é um fardo pesado, muitas vezes difícil de carregar sem uma quantidade as vezes insuportável de sofrimento.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Abertura das Olimpíadas Rio 2016

Delacroix

A abertura das Olimpíadas não foi feia, nem brega ou desonesta. Foi apenas perfeita e linda. Se usarmos este tipo de análise sombria e pessimista (“o povo com fome e nós festejando”, ou “nós sambando e eles tirando direitos”) nenhuma obra de arte poderia ser feita. Toda obra de arte mente; desavergonhadamente falseia a realidade, mostrando uma face e ocultando todas as outras – como uma foto de perfil de Facebook.

Fosse possível mostrar o “real” de um pais – uma pessoa, uma ideia, uma proposta – e a arte simplesmente desapareceria, pois que sua essência repousa exatamente nessa discrepância entre o que mostra e a completude da realidade circundante. A arte sempre nos arrebata pela sua limitada perspectiva, seu foco em um ponto determinado e sua mensagem particular sobre um específico olhar. A arte só pode ser analisada pelo que mostra, e não pelo que oculta. O que não há nela só pode ser analisado fora dela, pela sociologia, psicanálise e outras formas de conhecimento.

Se a abertura da Olimpíada mente sobre a realidade do Brasil também Guernica ou a Liberdade liderando o Povo, de Delacroix.

Não cabe à arte descrever o Real ou usar as tintas da Verdade. Minhas preferências pessoais não desmerecem ou exaltam nenhuma arte. Falam mais de mim do que da obra. A obra em si é um magneto de similitudes; busca avidamente encontra e um olhar que lhe ofereça sentido; uma sereia de canto estranho e singular em busca de um pirata solitário e saudoso. Respeito quem acha que a arte PRECISA ser politicamente engajada, mas discordo neste aspecto. Ela precisa provocar estranhamento e deslocamento, que pode – ou não – ser político. Se houver necessidade da arte servir a um objetivo político, então falamos de panfletarismo e não arte. A arte pode ser engajada, mas precisa acima de tudo ser livre para expressar a alma do sujeito que a cria.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Política

Pedido Primeiro

Pais

Muitas vezes avalio as pessoas que conheci e tento me perguntar sobre as vantagens e desvantagens que elas carregam na vida. Muitas têm dinheiro, outras são inteligentes e cultas. Algumas não têm qualquer atrativo físico, mas carregam virtudes que reconheço como brilhantes. Muitas delas estão contentes com o pouco que possuem, enquanto outras não conseguem se satisfazer com o muito que acumulam. Muitos amigos me falam de “cargo”, materiais, coisas que tem ou que aspiram, projetos que se emperram por falta de dinheiro, façanhas gigantescas produzidas pela riqueza, enquanto alguns outros exaltam detalhes em suas vidas que para mim seriam imperceptíveis.

Afinal o que existe de valor na existência que nos faz procurar durante toda uma vida? O que é que tanto buscamos?

Penso por vezes, no “chiaroscuro” de cada noite, nos momentos que antecedem o mergulho onírico de cada jornada, em qual seria o pedido único que faria antes de nascer. Se me fosse oferecida uma única qualidade, circunstância ou valor, um pedido que não pudesse ser negado, um elemento escolhido para deixar minha vida mais produtiva… o que eu apresentaria como pedido na antessala da vida, antes de chegar a este mundo e cursar uma existência inteira onde a angústia seria minha única, leal e indefectível companheira?

Não seria a beleza. Sei o quanto ela abre portas, facilita os encontros e os amores, deixa os contatos mais fluidos e fáceis. Entretanto, a beleza tanto atrai quanto aprisiona. As histórias de homens e mulheres extremamente belos não são relatos de felicidade obrigatória. Pelo contrário: quanto mais conhecemos a vida de estrelas de cinema, modelos esculturais de perfeição das formas, mais percebemos que sua formosura física jamais atuou como uma garantia de sucesso emocional ou psíquico. A biografia dos personagens da cultura que tiraram suas vidas precocemente, ou que tiveram vidas afetivas e amorosas pobres e doloridas, são evidentes demais para acreditar que a beleza possa nos oferecer qualquer garantia de felicidade.

Mas, e o dinheiro? Pode ele oferecer alegria? Pode ele nos trazer segurança e acesso aos prazeres que o mundo oferece? O dinheiro é capaz de comprar a felicidade, ou ele apenas oferece boas vestimentas a um sujeito que, diante da sua nudez, sofre como qualquer mortal? Assim como a beleza, a riqueza ofusca e ludibria, engana e distrai. Muitas relações estabelecidas com os ricos e belos só ocorrem pela luz fulgurante da atração que emana dessas qualidades. Todavia, por superficiais que são, elas atraem sujeitos que se embriagam de suas promessas, mas que não suportam a nudez que se evidencia quando surgem as rugas e desaparecem os encantos que o dinheiro oferece.

Então, se a riqueza e a beleza não são garantias, quem sabe a inteligência e a cultura seriam as qualidades que eu pediria antes da minha chegada. Por certo que uma vida cheia de saber poderia me abrir portas, mas que certeza poderia eu ter de que tal virtude me traria o nirvana que tanto ansiamos? Não, a inteligência apurada não pode me garantir uma vida feliz, e os exemplos de gênios consumidos por aflições e angústias terríveis aparecem em toda a história da humanidade. Nada no mundo intelectual me traz a segurança de uma vida plena e tranquila.

Se a beleza, a riqueza, a inteligência e a cultura são insuficientes, que poderia você pedir para lhe oferecer, senão a garantia, pelo menos uma trilha mais firme em busca de uma existência plena e feliz?

Depois de trabalhar por mais de 30 anos escutando as queixas, sofrimentos, dramas e angústias de tantos que me procuraram pela oportunidade de falar de suas dores, eu só penso em uma coisa cada vez que tais pensamentos me afligem. Ela não custa dinheiro algum, e sequer ocorre em pessoas dotadas de beleza ímpar ou com qualidades intelectuais além do comum. Ela se esconde no sorriso de pessoas comuns e nas lágrimas de todos aqueles que um dia puderam ter esse valor. Não aparenta ser muita coisa, de tão banal que se afigura, e as vezes nem aparece nas biografias de famosos. Mas hoje eu não tenho dúvida que, se me fosse dada a oportunidade de escolher um único pedido antes de descer para a Terra e empreender uma nova jornada, seria essa a minha solicitação.

Eu escolheria ter um pai e uma mãe. Somente isso. Meu pai não precisaria ser rico ou inteligente, e minha mãe não precisaria ser um ente cuja beleza infinita me inundasse o corpo físico com seus genes cheios de formosura e charme. Nenhum deles precisaria ter valores que se possam contar, onde a matemática precisasse ser utilizada para avaliar sua grandeza. Também não precisariam ser de sexos diferentes, e até tal desafio seria pequeno diante da vantagem de tê-los por perto.

Se eu tivesse, como tive, pais que me amassem pelo que sou, qualquer outra dificuldade que viesse a aparecer em minha vida seria encarada de uma forma completamente diferente do que seria se sua ausência fosse uma presença viva e sangrante em todas as minhas relações e experiências.

Sim, eu desejaria o amor primordial, a base para qualquer outro afeto, o imprint de carinho e cuidado que é o grande diferencial na vida de qualquer sujeito.

Ok, se for possível fazer outro pedido, pequenino, quase imperceptível, para acompanhar esse singelo desejo de ter ao meu lado pais que me amem como sou… “se der para nascer de parto humanizado eu ficaria agradecido, tá bom“?

1 comentário

Arquivado em Pensamentos