Arquivo da categoria: Pensamentos

Depressão puerperal em Bird Box

Recomendo não ler antes de assistir o filme…

Logo depois que assisti o filme “Bird Box”, com Sandra Bullock como protagonista do drama de suspense, percebi que havia muita gente criticando a película, tacando pau, dizendo que o filme era fraco, insosso, sem sentido e enigmático demais. Todavia, eu percebi na possibilidade de interpretar o filme pela perspectiva da depressão puerperal uma forma muito interessante de compreensão, e me baseei em vários elementos contidos no filme, os quais comentarei abaixo.

Claro, é apenas uma interpretação e o próprio Josh Malerman – o cara que escreveu o livro – poderá amanhã dar uma entrevista dizendo que seu livro é uma metáfora da “guerra do Iraque” ou o “capitalismo desenfreado“… nunca se sabe. Entretanto, olhar uma obra sob um viés diferente do PRÓPRIO AUTOR não está errado, pelo contrário. Acredito até que o escritor de qualquer obra humana “pesca” significantes do campo simbólico e os aplica numa narrativa, mas nada nos impede de ressignificá-los sob outra perspectiva. Por que não?

Existem elementos muito chamativos que nos levam a pensar na depressão puerperal, pois muitas são as metáforas insinuadas no roteiro. O filme tem simbolismos muito atraentes que podem nos levar a esta interpretação. A impossibilidade de enxergar – mas apenas fora de casa – é um deles, o que nos remete à reclusão que as puérperas sofrem, permanecendo apenas confinadas em seus domínios, isto é, a casa. A ausência do marido, por abandono, desde o inicio do filme também é elemento forte e determinante na trama. A visita à obstetra que lhe pergunta se quer saber o sexo do bebê é o elemento que inaugura o desastre.

A morte da irmã simboliza o afastamento da família e ocorre bem no início da depressão, quando o mundo convulsiona. A visita ao supermercado e o encontro das provisões fala da redução do sujeito às suas necessidades básicas. As fugas às cegas simbolizam a ausência de orientação sobre o que fazer e para onde ir. Até o casal fazendo sexo, e o riso constrangido e triste que isso lhe provocou, nos faz pensar no seu afastamento do desejo físico.

A figura hipermasculinizada do herói negro que a protege, representa a necessidade de proteção e a fragilidade do puerpério. Os múltiplos desastres nos apontam para a ideia de labirinto sem saída, o desespero para encontrar alívio para suas dores na alma. O derradeiro desafio é no rio turbulento ao lado do “garoto” e da “garota”, como a sua luta definitiva para recuperar a sanidade perdida. Após a passagem pelo rio ela escuta vozes que a toda hora lhe orientam a tirar a venda dos olhos e mergulhar para sempre na depressão, mas ela a tudo isso resiste. “Saia de perto dos meus filhos“, responde ela à Voz. Logo após, o garoto lhe diz sobre sua “irmã” “ela está com medo de você“.

Outro aspecto, para mim determinante: a ausência de nome nas crianças, como se elas não pudessem ser nominadas pela protagonista, exatamente por sua incapacidade de formar vínculos com os filhos.

O final é que permite uma idéia mais clara da questão da depressão puerperal. Quem ela reencontra no instituto para cegos? Exatamente sua médica, como que a acolhendo no retorno do período tenebroso da depressão, alguém que esteve acompanhando em pensamentos e cuidados, aguardando sua volta. Só então seus filhos são “reconhecidos” e recebem o nome que sempre tiveram, mas que nunca receberam – pois que ela jamais os aceitara por completo.

Os olhos são a chave da depressão. O olhar melancólico é o primeiro sinal que nos permite diagnosticar a depressão puerperal. Foi assim que a equipe que os recebeu na clínica de cegos analisou se ela podia ou não entrar.

Percebam que o inimigo nunca é visto. Não é palpável e, por isso mesmo, dificilmente pode ser destruído. Não há elementos evidentes (é vidente) ou facilmente detectáveis e perceptíveis na depressão puerperal; o psiquismo não está abalado por elementos fáticos objetivos, como um abandono, perda de dinheiro, falta de atenção ou de carinho. Não… na imensa maioria das vezes esses elementos não estão claramente presentes e a causa é invisível; somente o sujeito que sofre pode sentir, mesmo sem captar conscientemente.

Eu achei sedutora esta perspectiva pois nos permite uma construção interessante sobre os dramas da protagonista. O filme mistura elementos de vários outros, por certo, mas esta abordagem continua me parecendo válida. A redenção, ao final, o encontro com a médica e os nomes oferecidos aos filhos junto com a frase “eles são meus filhos” foram os elementos determinantes que me permitiram aceitar essa possibilidade de interpretação.

PS: Mais ainda… o nome do sujeito que se comunica pelo rádio com os fugitivos, o mesmo que vai resgatá-la do mundo da escuridão, é Ric, e ele tem uma comunidade. Curioso, não?

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Moralismo espiritualista

 

Eu cresci em uma casa espírita e meu pai foi presidente de uma federação estadual até romper com o modelo religioso do espiritismo. Entretanto, DESDE SEMPRE percebi no espiritismo um viés conservador e moralista, em especial no que diz respeito às múltiplas manifestações da sexualidade.

Homossexualidade sempre foi tabu, e testemunhei o sofrimento de amigos gays discriminados em suas escolhas dentro de casas espiritas. Curiosamente, esse preconceito ocorre mesmo diante da notória ambiguidade sexual dos dois maiores ícones do espiritismo.

Liberdade sexual e – especialmente – sexualidade feminina eram vistos como assuntos proibidos, ou então filtrados por uma ótica cafona de exaltação da “castidade”. Nesse aspecto o espiritismo segue a mesma trilha de TODAS as seitas cristãs, do catolicismo aos evangélicos mais reacionários. No mesmo culto à “família tradicional” ocorre a indissociável hipocrisia corrente; como nas outras vertentes cristãs é presente o “fantasma do filho gay” que nunca é mencionado, a mesma vergonha da filha grávida solteira, as mesmas posições políticas contrárias às manifestações de trabalhadores, o mesmo “racismo caridoso” e a constante aversão aos movimentos populares de esquerda. “Espíritos aconselham o trabalho e a obediência às leis. Greves são causadas por obsessões”.

As religiões, TODAS ELAS, são movimentos conservadores de manutenção e suporte dos poderes estabelecidos. Eu me dei conta disso há 33 anos e abandonei as Casas Espíritas de caráter religioso, mantendo apenas para mim as crenças que até hoje me nutrem e consolam. As recentes manifestações lamentáveis – e carregadas do mais puro reacionarismo – de dirigentes e personalidades espíritas apenas confirmaram a imagem negativa que sempre tive do espíritsmo como movimento social.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Religião e conservadorismo

As mensagens de espíritas preocupados com a ascensão do fascismo e com a popularidade de um candidato que elogia torturadores só fazem sentido porque historicamente a cúpula do espiritismo nacional é reacionária e autoritária. De Chico a Divaldo, passando pelos generais da FEB (Federação Espírita Brasileira), nunca tivemos um espiritismo brasileiro que não fosse próximo e admirador dos poderes instituídos, da ditadura à lamentável “República de Curitiba”. As demonstrações de afeto de Chico com a ditadura de 64 e de Divaldo com a turma de magistrados que golpearam a democracia estão acima de qualquer dúvida.

Com exceção das religiões de matriz africana – umbanda, candomblé, nação – as grandes religiões brasileiras são dos colonizadores; religiões brancas, de classe media, burguesas e conservadoras, incluindo-se aí o espiritismo. Nas três décadas em que circulei pelo universo dos espíritas brasileiros nada reconheci de diferente dos modelos de outras seitas cristãs. O mesmo moralismo, um machismo sutil, meritocracias, hierarquias, aristocracias, espíritos “do bem” – semelhantes aos “cidadãos de bem” deste plano – culto às personalidades, entidades das trevas, seres angelicais e um número sem fim de informações subliminares que nos conduziam a reconhecer os “espíritos superiores” como a elite branca e aburguesada da nossa sociedade.

Para além disso convivi com o ufanismo infantil propagado entre os espíritas pela obra “Brasil, coração do mundo, pátria do Evangelho” que descrevia o nosso país de 60 mil homicídios por ano, feminicídios e estupros incontáveis e a distribuição de renda mais perversa do hemisfério sul como “a nação escolhida por Jesus para carregar no coração sua mensagem de amor“.

As religiões são construções humanas e refletem seus valores e crenças.  Uma “religião” como o espiritismo (não é, mas se expressa como se fosse) surgiu no seio da classe média brasileira e obrigatoriamente viria a refletir sua visão de mundo e suas perspectivas. A umbanda, nascida do sincretismo entre o cristianismo e os ritos africanos, surgiu na marginalidade (à margem) da classe média do país, trazendo para o seu seio as populações pobres, negras, os homossexuais e os desvalidos. Se existem cultos no Brasil que têm a nossa cara e nosso jeito, sendo representante dos mais elementares valores populares, estes são os afro-brasileiros.

Inobstante a mensagem espírita pretender-se mais moderna e abrir espaço para a permeabilidade de seus postulados com a ciência, seu veículo – a classe média branca e urbana – acabou lhe conferindo um aspecto conservador e moralista que em nada se diferencia das seitas cristãs em nosso meio.

Não é de surpreender, portanto, que meus amigos espíritas de ontem venham hoje a abraçar as bandeiras conservadoras, em um direitismo que se aproxima do antipetismo mais radical e onde suas ideias encontram eco nas palavras do inominável líder fascista.

A modernidade da “fé raciocinada” que Kardec propunha esbarrou na caretice de quem levou adiante suas propostas. Infelizmente, o espiritismo jamais conseguiu mudar a imagem conservadora e moralista do cristianismo tupiniquim.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Lacração

 

Vivemos em tempos obscuros, onde a “lacração” mais grosseira ocupa o lugar que o humor sempre teve por direito. Antigamente as “sacadas” bem humoradas, satíricas e sarcásticas eram a maneira mais rebuscada de responder, mesmo as agressões. Hoje você “lacra”, o que basicamente significa arrasar, destruir o opositor, usar um argumento que fecha a questão (pelo menos na opinião da sua torcida).

A diferença entre as duas estratégias é a mesma entre um decote insinuante num filme de Vitório de Sicca e uma cena pornô de Rocco Sifredi.

“Sutileza e perspicácia, onde andam vocês?”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Snow flake

 

Uma das minhas manias mais radicais é com a questão da liberdade de expressão; sou fanático por isso. Não aceito de forma alguma cerceamento de consciência. Não vejo erro em defender vacinas, putaria, homeopatia, transexualismo, futebol, parto humanizado, homem, mulher, gays, nazismo, comunismo e neoliberalismo. Tudo, literalmente tudo, e sempre no terreno das idéias.

Infelizmente vemos a censura da geração “overly woke”, ou “snowflake” que nao suporta que determinados grupos ou ideias possam ser submetidos a críticas e – muito pior do que isso – ao humor.

Ontem assisti dois espetáculos de stand up que tratam exatamente dessa questão: Rick Gervais e Brimbilla. Ambos traziam uma temática provocativa sobre temas complexos, passando dos transgêneros aos abusos sexuais. Evidentemente, com graça e humor, mas sem fugir do tema e sem sacralizar grupos e sujeitos.

Sim…. é possível fazer humor com qualquer tema. Morte, estupro, mulher, homem, gay, judeus ou palestinos. A questão é a forma, a circunstância e o contexto. Se a piada visa humilhar um grupo, sendo apenas um veículo desse ataque, somente os preconceituosos serão parceiros nas risadas. Porém, se a piada serve para puxar o tapete de nossas certezas e nossa arrogância – para qualquer sujeito ou grupo – essa piada precisa ser PROTEGIDA dos batalhões snowflake, pois ela está na essência humanizadora do humor, a mesma que percorria o coração dos menestréis quando ridicularizavam a vida palaciana e apontavam a nudez dos soberanos.

Uma vida onde o humor é sufocado pela simples possibilidade de ferir suscetibilidades é uma vida onde os poderes são estanques, a existência imutável e o sorriso criminalizado.

Quem se leva muito a sério e não consegue rir de si mesmo está condenado a jamais entender sua própria existência, sufocado pelo mau humor e por uma falsa idéia de proteção.

Para exercício de alteridade aconselho refletir sobre os perigos de uma postura pusilânime em relação aos grupos minoritários. E claro, assistam “Humanidades” de Rick Gervais.

E sobre o humor, invoco Belchior:

 

“Não me peça que eu lhe faça

Uma canção (piada) como se deve

Suave limpa, muito linda muito leve

Sons e palavras são navalhas

E eu não posso cantar (contar) como convém

Sem querer ferir ninguém”

Salve o humor.
O humor não morrerá jamais.
Chega de caretice.
Abaixo toda forma de racismo.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos