Cultura do medo

The nurse relaxing Jerald before the milk challenge during the Labor Games.

Em “Media Representations of Pregnancy and Childbirth: An Analysis of Reality Television Programs in the United States”, os pesquisadores Morris e McInerney (2010) descreveram a resultados de sua análise de conteúdo de 85 reality shows que retrataram 123 nascimentos, exibidos nos EUA no “Discovery Health” e no “The Learning Channel” em novembro de 2007, concluindo que “os corpos das mulheres eram tipicamente exibidos como incapazes de dar a luz um bebê sem a intervenção médica “. (Ways of Knowing about Birth – Robbie Davis-Floyd, no prelo)

Não é de se admirar que, na cultura contemporânea, o parto seja visto como a “crônica de um desastre anunciado”. A sociedade, através de seus meios de controle social (a televisão em especial), cria e amplifica a ideia central da defectividade feminina e sua extremada dependência da ciência e da tecnologia para superar seus desafios fisiológicos. Nesta abordagem, os heróis são sempre os médicos e a tecnologia, responsáveis últimos pelo resgate das pobres e frágeis mulheres de sua natureza imperfeita e traiçoeira. Nos filmes, documentários e séries, a gestação é quase sempre retratada como um momento dramático, perigoso e causador de tragédias. Como dizia meu obscuro professor na residência, “uma grávida é um equilibrista nas alturas sobre a corda bamba, e vocês são a rede“. Por que tanto espanto quando as mulheres descrevem o parto como algo que lhes causa terror e medo? A quem cabe a culpa por uma “cultura de medo” sobre o nascimento?

A fragilidade do organismo das mulheres e sua incapacidade de parir com segurança sem a intervenção patriarcal da obstetrícia são mitos que sobrevivem ao tempo, mas cuja disseminação não se expressa num vácuo conceitual. Pelo contrário; são parte essencial do controle dos corpos, o biopoder e a dominação patriarcal sobre a sexualidade feminina.

A mudança na forma como entendemos o parto nas sociedades ocidentais não se fará pela simples disseminação de informação de qualidade, como ingenuamente acreditam os racionalistas. Esta transição é um processo cultural, e só se dará obedecendo os movimentos de fluxo e contrafluxo de qualquer outro fenômeno social. Na atual conjuntura, a abordagem intervencionista da obstetrícia ocidental ocorre por meio de um acordo mútuo entre as mulheres e seus médicos, que se baseia nos valores fundamentais e na abordagem geral da vida inserida na cultura tecnocrática.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Mc Quem?

O caso do menino que fez piada com uma criança na Disney mostra como, no mundo cibernético, uma vida pode ser destruída em 30 segundos. Isso me faz lembrar a frase que minha mãe colou na parede do seu quarto: “Cuida como vives; talvez sejas o único evangelho que teu irmão lê“. Quem deseja adentrar no mundo do sucesso e da fama – seja lá por qual caminno for – precisa entender que sua imagem, o que fala e como se comporta é um modelo a ser seguido por muitos – as vezes por milhões.

Se há uma constante no mundo da fama ela foi descrita por Augusto dos Anjos: “A mão que afaga é a mesma que apedreja”. Aqueles que exaltam serão os primeiros a lhe afundar quando a dívida afetiva da adoração custar a ser paga. “Eu lhe dei meu amor e minha veneração; como vai me pagar?

A atitude do rapaz foi deplorável e insensível; desrespeitosa e grosseira. Porém, a onda de vingança destrutiva contra ele me causa igual incômodo. O mesmo punitivismo que cria monstros como Moro e Dalanhol habita dentro do(a) “cidadã(o) de bem” que goza vendo a destruição de um sujeito cujo erro todos fomos testemunhas.

Perdoar NÃO significa condescender com o erro, mas entendê-lo e aplicar a pena justa, nem mais e nem menos. Destruir pessoas nunca será uma pena adequada. Usar a justa indignação como veículo de perversidade e da vingança jamais será caminho para uma sociedade solidária.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Cuidado, “spoiler”!!!

“Festa de revelação”…
Balões azuis ou cor de rosa;
Recheio do bolo com “cor de menino” ou “cor de menina”;
Fumacinha colorida reveladora.
Céus…

Precisamos mesmo desse tipo de ritual?
Passamos por aqueles constrangedores chás de fraldas, onde a graça estava em maltratar a grávida, por festinhas mediadas por ultrassons recreativos e invasão da privacidade de bebês. Vale a pena? Não vou nem citar os riscos da realização abusiva destes exames, mas o que realmente ganhamos como sociedade ao revelar a magia, expondo o truque antes do coelho sair da cartola? Mas, a graça não está exatamente em não saber, em imaginar, em fantasiar? O desejo não se forma exatamente pela interdição, como o furo da meia – que excita por esconder?

Outra questão é o capitalismo aplicado aos ciclos vitais. Este ritual ganhou força quando começou a ficar claro que o abuso de ecografias não produzia nenhum benefício (cientificamente evidente) para mães e bebês. “Bem, mas se não produz efeitos médicos, quem sabe provamos que traz vantagens afetivas?” Assim, o comércio começou a vender a ideia de que o ultrassom era capaz de fortalecer a ligação entre as mães e seus bebê pela possibilidade de um contato mais intimo (visual) entre eles. Além de aumentar esse “bonding” – que jamais foi comprovado experimentalmente – essa nova tecnologia seria capaz de revelar o sexo do bebê, oportunizando uma comemoração extemporânea e a criação de um novo ritual, agora tecnologicamente mediado. Esse ritual acabou sendo explorado comercialmente mas também entrou como uma luva na sociedade contemporânea do espetáculo, onde qualquer evento – da formatura do jardim da infância ao fim do doutorado – merece um espetáculo grandioso e personalista.

Para mim, a questão central desse debate é simples: a intermediação do evento gestação pela tecnologia serve de auxílio para a relação familiar alargada (mãe, pai, avós, etc.) ou apenas expropria – mais uma vez – da mulher um evento que outrora era apenas controlado por ela, seus sentimentos, emoções e ritmos?

No fundo, a expropriação sutil que se faz sobre a gestação funciona assim mesmo: o bebê sai da barriga da mãe e entra para o ventre da máquina, para a cultura e para o controle dos médicos. As máquinas é que carregam este bebê, e não a mãe. Nesse aspecto homens e mulheres acabam se equiparando: a gestação já está fora de ambos, mediada pela frieza cientificista. Não dá para esquecer a entrevista que Robbie fala relatando a experiência com uma mãe que, hipnotizada pelos bips da máquina, diz a ela “parece que o bebê está ali dentro“.

Um exemplo simples para entender minha posição: o ritual do casamento ocidental é a mais poderosa de todas as cerimônias de fortalecimento e manutenção do patriarcado, Todo o simbolismo do evento é marcado pelos valores patriarcais mais básicos. O vestido branco, as testemunhas, o noivo esperando, o pai que entrega a filha para o seu próximo “dono” (ou cuidador, ou responsável), etc. Tudo ali é escrito – como uma peça de teatro que todos sabemos como termina – para reforçar estes valores, mesmo que de forma inconsciente. Aliás, a dissimulação dos rituais é sua maior força. Eles não precisam da razão para serem fortes e consistentes.

Pois muito bem…. não há nenhuma dúvida entre as pessoas que trabalham com rituais (de Van Gennep até Robbie) de que estes rituais carregam simbolismos os quais por sua vez produzem mudanças comportamentais em quem se submete a eles. Se você souber e for esclarecida sobre o que em verdade está sendo encenado em um matrimônio você mudaria sua maneira de casar?

Talvez não, mas é possível que sim, e por isso mesmo é crescente o número de pessoas que resolvem fazer “casamentos alternativos”, sem votos, sem roupas especiais, sem pais trazendo a noiva, sem a mediação de qualquer religião, etc… Isto é: mudam-se os rituais porque eles já não mais representam os VALORES SUBJACENTES daquele casal, mas poderia ser também daquela grávida. Pela mesma razão mudou-se paulatinamente o chá de fraldas – para chá de bênçãos – exatamente pela mesma razão: o entendimento dos valores subjacentes, e a ideia de NOVOS rituais para NOVAS consciências.

Os rituais das festas de revelação podem ser modificados se as pessoas entenderem ao que eles servem e o quanto eles expropriam das mães o controle sobre suas gestações, assim como a entrega deste poder aos médicos e à tecnologia pode ter significados deletérios para a relação que está para se formar.

Somos uma sociedade bizarra, onde achamos deseducado fazer um mísero comentário sobre um filme do cinema para alguém que ainda não o assistiu, mas achamos justo antecipar a mais grandiosa das surpresas. Qual o sentido em revelar o gênero de um bebê que aguarda o momento para, por si mesmo, nos anunciar? Qual a vantagem em contar o fim do filme quando ele está apenas começando?

Sei que sempre fui – e continuo sendo – a voz solitária no deserto da tecnocracia ao questionar estes modismos. Mas, pelo menos a mim foi dada a maravilhosa oportunidade de acompanhar partos em que houve respeito ao mistério e onde a revelação do segredo tão bem guardado se apresentou vívida e gloriosa diante de nós apenas no momento em que sempre ocorreu. Estes momentos de esplendor jamais esquecerei. Obrigado a todos que me permitiram viver a ansiedade da revelação corporificada no momento do nascimento.

Deixo as palavras do jornalista Chris Hedges sobre a importância do mistério e do sagrado para a sobrevivência de qualquer cultura.

“Aqueles que descreveram as sociedades nativas americanas ou de Delfos na Grécia antiga, não usaram a fria linguagem clínica da ciência e da razão. Eles as descreveram na linguagem nebulosa do amor, ternura, paciência, justiça, redenção e perdão. Eles foram fascinados pela misteriosa incongruência da existência humana. Uma sociedade que perde o respeito pelo sagrado, que ignora seus oráculos e separa o poder da imaginação humana, garante sua obliteração.”

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Imprensa Livre

Por que pagar para ler notícias?

Hoje em dia vemos o surgimento das “Mídias independentes” que se contrapõe à mídia corporativa. O advento da Internet oportunizou a multiplicação ad infinitum de fontes de informação – algumas de alta qualidade e outras pura enganação. A diferença é que nas mídias tradicionais os anunciantes atuam – direta ou indiretamente – na escolha de pautas, nas ênfases e no próprio trato da notícia. Afinal, ninguém (nenhuma corporação) vai pagar os altos custos dos noticiários para correr o risco de ter o nome de sua empresa enxovalhado.

Há alguns anos abrimos uma clínica em uma cidade média do Interior do RS. Depois disso fomos convidados pelo diretor do jornal – um típico “coronel” da informação – para anunciarmos em seu veículo, o único diário impresso da cidade. Ele de cara me informou: “Minha política aqui é a seguinte: se alguém vem ao jornal para reclamar dos médicos eu ligo direto para vocês antes de publicar”. Nenhum constrangimento em confessar que seu jornal era para proteger os poderosos.

E não são apenas empresas. Aqui no RS o conselho de Medicina compra muitas horas na rádio da maior empresa de comunicação local para, com isso, interferir nas pautas médicas. Ora… que produto o CRM tem para vender? Apenas a imagem da medicina, que é passada nos noticiários, inclusive escondendo notícias desagradáveis sempre que possível (como a Globo faz com a Vaza Jato). Essa é uma das práticas mais antigas, que mostra o poder da informação no mundo contemporâneo. Podemos confiar em uma imprensa que pode ser facilmente comprada pelo poder do dinheiro?

Por outro lado a mídia independente, para não sofrer pressões do capital, precisa que o ouvinte/leitor/telespectador seja o único financiador, para que suas pautas não sejam controladas pelo poder econômico, fazendo da audiência o único cliente a ser contemplado. Sem rabo preso e sem constrangimentos de nenhuma natureza por parte do poder econômico.

Esta é uma forma de estimular um jornalismo livre, cuja única fidelidade seja a utopia da imparcialidade. A alternativa a isso existe em outros países: uma empresa pública de comunicação, que não seja atrelada aos governos (uma empresa do Estado) e que possa inclusive lhe fazer oposição.

Por exemplo: para criar um congresso médico e impedir que as palestras do evento sejam comandadas por espaços comprados pela indústria farmacêutica (como nos congressos nacionais e internacionais de medicina) o cliente final (parteira, dotô, doula, psi, etc) precisa pagar para que o congresso seja LIVRE das influências do poder econômico – dos equipamentos, dos hospitais e da Big Pharma – as gigantes vendedoras de drogas.

Por isso é que é urgente criarmos IMPRENSA LIVRE, sem amarras com o sistema econômico.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Política

Autoestima

Hoje fui buscar meu neto Oliver na sua casa para tomar café com as crianças que haviam chegado para visitar a Comuna, e o argumento que usei para tirá-lo de casa foi:

– Levanta, moleque!!! Puxa, estão todos lá esperando ansiosos para lhe encontrar. Você é muito especial. Venha!!

Ele olhou pra mim um pouco desconfiado e incrédulo, mas, assim mesmo, resolveu se levantar, vestindo um sorriso e vencendo a preguiça e a insegurança que teimavam em lhe amarrar na cama.

Minhas palavras me transportaram para mais de 40 anos no passado, quando minha turma de adolescentes resolveu marcar uma festa. Diante da minha resistência em participar do encontro, um amigo mais velho me disse:

– Como assim “não sabe se vai”? Você é a pessoa mais importante desta festa!! Sem você não vai ter nenhuma graça!!

Ainda lembro do seu sorriso maroto dizendo isso. Era pura encenação, hoje sei, mas na época me pareceu tão autêntico quanto um “eu nunca mais amarei ninguém” depois da primeira frustração amorosa. A verdade é que, passadas já quatro décadas, a cena permanece colada em minha memória de forma ainda vívida e forte. Talvez a intenção do meu amigo, ao perceber minha timidez e insegurança, fosse mostrar algo de mim que eu mesmo desconhecia. É pelos outros que mapeamos nossa alma; é o olhar alheio quem melhor nos descreve. Suas palavras de estímulo serviram para reforçar minha confiança titubeante diante da natural fragilidade adolescente com os desafios da vida.

Achei que meu neto poderia vencer suas vergonhas e medos com uma pitada homeopática de autoestima. Talvez ele possa, com o tempo, enxergar a maravilha que é desfrutar da vida sentindo-se amado e respeitado.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais