Castidades

Sula Miranda, que já foi considerada durante muitos anos como a Rainha dos Caminhoneiros, declarou recentemente que não faz sexo há cerca de 14 anos. A cantora de 57 anos, irmã de Gretchen, é evangélica e adepta à ideia de se relacionar apenas se estiver comprometida em um casamento. “Eu quero compromisso e, hoje em dia, ninguém quer. As pessoas só querem ficar. Essa coisa de dorme na minha casa, depois durmo na sua… Estou fora! Para mim, tem que ser à moda antiga”, disse em uma entrevista recente

A história dela me faz lembrar a chacrete Rita Cadillac, que antes de aceitar a proposta de estrelar um filme adulto declarou que estava sem fazer sexo há muitos anos. Na época fiquei chocado ao perceber que a “deusa do sexo”, Rainha dos Detentos, era de uma castidade monástica.

Ou seja, a fama e a fortuna não são garantias de uma vida sexual ativa e feliz. Pelo menos não para muitas mulheres. Para quem acredita que o dinheiro é capaz de dar acesso a estas regalias parece que a realidade desmente nossa fantasia.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Pacientes

É por essas razões que esse personagem se chama “paciente”, a mesma raiz de “sofredor”, derivada do latim patiens, de patior, que significa “sofrer”. A palavra paciente também contém o significado de “aquele que aguarda”, uma pessoa que necessita cuidados com seu bem-estar, cuidados médicos, mas que o faz de forma passiva e submissa.

De uma forma abrangente, a posição subserviente e secundária dos pacientes no encontro com os médicos sempre me intrigou, mas por outro lado eu também pude perceber o gozo existente na submissão às determinações de um “Outro poderoso”, que supõe saber sobre nós mais do que nós mesmos sabemos. Por ser tão rico em nuances, o contato com o médico é cercado de mitologias e fantasias, o que lhe garante uma aura de inegável mistério e suspense.

Esse encontro, desde as mais remotas lembranças da espécie humana, é um dos mais fascinantes da história, porque congrega vida, morte, saúde, doença e magia na troca de saberes e afetos entre dois sujeitos. Poucos contatos sociais são mais carregados de emoção quanto esse.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Imundície

Pizarro e a Conquista do Peru, 1846 por John Everett Millais (1829-1896, UK)

Li agora uma postagem que criticava os europeus por se acharem os donos do mundo mesmo quando, durante a época das navegações, suas cidades eram imundas e fétidas. Com outras palavras o texto dizia: “Como poderiam exigir nossa subserviência quando andavam misturados com seu próprio excremento e quase foram destruídos pela própria sujeira? Toda essa falta de asseio e promiscuidade foram responsáveis pela ocorrência da peste negra, entre outras tantas mazelas. Como ousam se considerar superiores??” finaliza o post, que mistura indignação com humor.

Atrás dessa informação existe a crença de que o cristianismo – uma “máquina totalitária”- seria o responsável pelos massacres e extermínios das populações nativas. Estas seriam “superiores”, mais asseadas, e (acreditem) mais pacíficas. Nada poderia estar mais longe da verdade. A resposta à indagação de “como poderiam ser superiores?” é simples: o poder não tem nada a ver com higiene, bons costumes, asseio pessoal, etc. e também nada tem a ver com superioridade moral; isso é apenas um preconceito modernamente disseminado. Vou mais além, e talvez deixe alguns desavisados um pouco chocados, talvez surpresos: os europeus dominaram o mundo, entre outros fatores, por causa da sua imundície.

Exatamente. Ser imundo foi uma imensa vantagem sobre os ameríndios, por exemplo. Quando aqui chegaram, os fedorentos espanhóis – em especial – trouxeram suas armas (e a pólvora), seu aço (nos escudos e espadas, em contraposição ao frágil bronze dos nativos americanos) e…. germes, milhões de bactérias peludas e gosmentas, adquiridas principalmente através da domesticação de múltiplos animais; o convívio íntimo com vacas, porcos, galinhas, cães, gatos e cavalos. Isso significa muito mais espécies do que os mexicas e incas haviam sido capazes de domesticar para compartilhar germes e doenças. Essa promiscuidade ofereceu aos europeus uma superioridade imunológicas importante, produzida pelo contato intenso e incessante com uma grande variedade de microrganismos.

A invasão europeia das Américas causou proporcionalmente poucas baixas indígenas em combates diretos, quando comparados com os confrontos diretos com os invasores, mesmo com a diferença brutal de capacidade bélica – basta ler sobre a grande batalha de 1532, onde Pizarro capturou o chefe inca Ataualpa no Peru, onde menos de 100 espanhóis destruíram 80 mil nativos em poucas horas – mas principalmente pelas doenças contagiosas (gripe, varíola, pneumonia, conjuntivite, etc,) que os invasores do velho mundo carregavam em sua bagagem, as quais produziram as mortes posteriores. Sem o saberem, trouxeram em suas roupas, suor, perdigotos e sangue suas armas mais perigosas e mortíferas

Portanto, a imundice dos europeus foi um dos seus maiores trunfos para se estabelecerem como cultura preponderante e dominante. Longe de ser uma “desvantagem” ou símbolo de inferioridade, sua porquice provavelmente permitiu que se tornassem senhores do mundo.

Achar que os cristão eram muito diferentes – ou tinham diferenças intelectuais e morais – com os povos invadidos é apenas culpa branca estéril, um pensamento cafona e racista. Os povos são todos feitos de pessoas, grupos que se organizam em diferentes graus de sofisticação tecnológica e social, mas possuem a mesma contituição moral. Os ameríndios não fizeram a viagem inversa para a conquista da Europa apenas porque eram incompetentes para isso, e não porque fossem pacíficos ou porque não aceitavam as guerras e conflitos. Ora, a história da América Central, dos mexicas, dos toltecas é de uma violência inacreditável. Fizeram crueldades com as populações conquistadas que são inimagináveis até para a violência animal dos conquistadores espanhóis. A ideia de que eles eram “pacíficos” é uma idealização absurda. Ainda hoje existem disseminadores da ideia de “bom primitivo”, o “indígena pacífico”, mas isso é irreal, e existem provas documentais de que isso jamais poderia ter acontecido.

Aliás, o pacifismo em todo o planeta sempre acaba quando seus filhos começam a passar fome. Os Europes, por questões da geografia, da agricultura, da pecuária e da orientação do clima (horizontalmente determinado, ao invés de verticalmente estabelecido) saiu na frente e chegou primeiro às Américas, derrotando povos de tecnologica mais atrasada e biologicamente despreparados. Essa conquista não foi por uma questão moral, religiosa ou qualquer outra dessas características. Se pensarmos dessa forma preconceituosa e racista, seremos obrigados a aceitar diferenças essenciais entre povos e culturas – como inteligência e moralidade – e isso nos fará retroceder 200 anos na história da equidade racial nesse planeta.

O grande problema é o idealismo. A visão de que as ideias cristãs são totalitárias – em contraposição ao teleologia dos nativos – é pura perspectiva idealista. Se Constantino não tivesse convertido o Imperio Romano ao cristianismo Cristóvão Colombo chegaria aqui carregando uma imagem de Júpiter ou de Marte. Para os interesses comerciais dos europeus a figura a representá-los seria irrelevante; as questões materiais serão sempre preponderantes e se sobrepõem às ideias. O cristianismo – ou o islã – são apenas religiões que captam e transcrevem (e não disseminam por si só) as aspirações humanas de proteção e sobrevivência para lhes oferecer um suporte ideológico, mas não são jamais os motores da transformação social. As religiões são ideologias onde colocamos nossos valores, e não de onde os retiramos. Ou seja: se não fosse o cristianismo seria qualquer outra ideologia a carregar os anseios de expansão da cultura europeia para além do atlântico.

Recomendo como leitura complementar a obra “Armas, Germes e Aço” de Jared Diamond, onde ele descreve com riqueza de detalhes e de forma pormenorizada as razões pelas quais existem diferenças marcantes no desenvolvimento do processo civilizatório nas diferentes partes do mundo.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Pensamentos

Capengas

William Waack – aquele do comentário racista – afirmou que a ideia expressa por Lula “quem produz é o empregado, não o empresário” foi derrubada há mais de 50 anos. Eu pergunto: quem derrubou isso? Por qual decreto? Qual a lei da produção capitalista foi revogada sem que tenhamos sido informados? Quem é William Waack na fila do pão das teorias do trabalho e capital?

Em verdade o que vem caindo insidiosamente no último meio século é a ideia romântica do empreendedor, do desbravador, do “self made man”, do sujeito que “veio de baixo”, que cria empregos e oferece graciosamente às pessoas, visando o progresso das comunidades. O que desaparece lentamente é a visão desses capitalistas como vetores de progresso e desenvolvimento capitalista, e de que eles seriam a prova da “diferença essencial” que justifica a sociedade de classes. É esse personagem de ficção, montado através dos gigantescos sistemas de propaganda, que está aos poucos erodindo do imaginário social.

O episódio das Lojas Americanas mostra o quanto esses mega empresários não se importaram em levar à falência inúmeras pequenas empresas e seus próprios empregados, maquiando criminosamente balanços da empresa para conseguir mais lucros para si mesmos – sempre às custas da miséria alheia. Mostra também que não passam de aproveitadores, exploradores, cuja única qualidade é o acúmulo de capital.

Sujeitos de moral cambaleante, não tem qualquer pudor em desmerecer o país que produziu o lucro que os enriquece e beneficia, tratando esta nação como um sub-país condenado eternamente à condição de vassalo ou figurante no espetáculo das nações. Beijam as botas do imperialismo sem nenhum pudor, tratando os cães raivosos do capitalismo destruidor como vestais, uma raça superior, onde impera a justiça e a competência. Não se incomodam de se ajoelhar aos senhores do mercado mundial, nem que para isso acabem mostrando suas lustrosas bundas para todos nós.

É chegado o tempo de enxergar esses exploradores como verdadeiramente são. Não passam de abusadores, acumuladores, moralmente capengas, socialmente irresponsáveis e criminosos. É hora de responsabilizá-los pelo mal que fazem ao desenvolvimento do País.

Deixe um comentário

Arquivado em Causa Operária, Política

Piadas

Quando as minhas piadas mais geniais são publicadas nas redes sociais quase ninguém dá bola. As vezes dá vontade de desistir, jogar tudo pra cima e ser um cara normal. Ser um gênio do humor é um fardo pesado, saca? Incompreensão, inveja, desprezo, é só isso que se recebe. Sabem quantas horas levamos em média para elaborar as piadas que tantas pessoas rolam de gargalhar? Muitas delas mais de uma semana!!! E o que recebemos? Meia dúzia de tímidos “likes”. Enquanto isso acontece, pessoas – que não vou nomear porque indireta é estratégia de babaca – postam fotos de bebês e tem 3, 4 ou 5 mil aprovações!!! Seus leitores mandam beijos e fazem elogios!!! Quando publicam fotos de gatinhos então, nem se fala.

Será que ninguém percebe o trabalho que dá para fazer uma piada? Pois é, na maioria delas é preciso que pesquisar!!! Dá trabalho, a gente se estressa, se incomoda. As vezes aparece gente que reclama, diz que a piada é “ofensiva”. Outro dia mesmo tive que deletar uma reclamação de um grupo de jovens católicos que se indignaram porque eu poderia estar “debochando dos seus valores cristãos”. Ora, “vão reclamar para o Bispo”, gritei para eles (em caixa alta) mas depois deletei tudo.

As pessoas valorizam neurocirurgiões, astronautas, engenheiros espaciais e mesmo aqueles superdotados que terminam o “cubo mágico” em 30 segundos, mas qual o valor que dão para uma piada? Lembrem apenas que se não fossem as piadas e os chistes a psicanálise sequer existiria. Freud aprendeu a analisar o inconsciente através da leitura dos gracejos, mas vocês acham que as piadas nasceram de um pé de couve? Foram trazidas ao mundo por cegonhas? Não!!!!

Sempre haverá um piadista anônimo, sofrendo para pagar o aluguel por trás dessa piadinha inocente que você escutou. Há um sujeito que passa fome e sofre, mas que faz você sorrir.

Pense nisso…

Deixe um comentário

Arquivado em Humor

Retórica identitária

A força retórica do identitarismo recai principalmente no fato de que qualquer discordância é respondida com ataques morais, não racionais. Assim, os dissidentes são tratados como machistas, racistas e transfóbicos, e não como pessoas que discordam de pontos específicos. Não é difícil constatar esse fenômeno; os episódios de mulheres trans nos banheiros femininos são acontecimentos exemplares e didáticos, e o simples questionamento da mudança dos pronomes coloca muitos na posição de inimigos ou traidores.

Nya Dnar, “Epílogo da História Circular”, ed. Fronteiras, pág 135

Nya Konigsberg Dnar nasceu em Praga, na República Checa, no dia 2 de fevereiro de 1965. Com pouca idade demonstrou ser uma criança muito vivaz e inteligente, e com quatro anos de idade aprendeu sozinha a ler e escrever. Com oito anos começou a escrever histórias curtas, pequenos contos e relatos em formato de crônicas. Em 1984 graduou-se em Pedagogia e História. Nesse mesmo ano ingressou no Instituto Nacional de Cinema para estudar roteiro, diagramação e direção de arte. Em 1986, com 21 anos recém completados, emigrou para os Estados Unidos para seguir carreira como roteirista e diretora de cinema. Nos estúdios de Hollywood conheceu inúmeros diretores que foram inspiradores para sua trajetória, e de sua amizade com o diretor Brian de Palma surgiu o interesse pelas películas e histórias de suspense que tanto o caracterizaram. Casou-se com Frank O’Maley em 1989 e começou sua carreira de roteirista na Miramax, empresa fundada por Harvey Weinstein, mas sua história na empresa foi abruptamente interrompida pelos escândalos sexuais que envolveram o famoso produtor e diversas mulheres que ele teria assediado. Depois da queda e do descrédito da Miramax passou a dedicar-se à escrita tendo lançado uma biografia chamada “Os anjos vêm de Praga”, onde conta a sua vida como imigrante e roteirista de sucesso. Logo depois lançou um romance ambientado na Primavera de Praga, chamado “Não há flores em Valdštejnská zahrada”, sobre o amor conturbado de uma florista da cidade com um soldado russo. Publicou em muitas revistas feministas e de esquerda americanas, em especial sobre os temas do identitarismo e do aborto. Em “Epílogo da História Circular” ela transita por temas tão diversos quanto a revolução dos costumes e crônicas sobre mulheres e crianças desassistidas nos assentamentos de imigrantes na fronteira com o México. Mora em Los Angeles.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Tolerância

Uma dica para aqueles que gostam da “censura do bem” que parece consenso entre os formadores de opinião da esquerda: leiam em que contexto Karl Popper – um liberal profundamente anticomunista – proferiu sua famosa frase. Entendam que a perspectiva de não “tolerar os intolerantes” pressupõe que alguém terá o poder de arbitrar a intolerância. Quem seriam os vestais a determinar quais palavras são permitidas e quais devem ser proibidas? Quem, dentre nós, está acima do bem e do mal?

No caso do Brasil o Alexandre – ou o STF inteiro, que inclui Fux, Fachin, Kassio Nunes Marques, André Mendonça – tem o poder de determinar que algo (ou alguém) rompeu os limites da livre expressão. Ou seja: no caso recente, quem determinou o limite da tolerância é um sujeito que foi colocado na posição de Ministro da Suprema Corte através de um presidente que chegou ao cargo por um golpe de Estado. É justo admitirmos isso?

No caso de Popper “intolerância” o limite seria alguém se atrever na defesa do socialismo e eliminar o controle privado dos meios de produção – algo intolerável para um liberal. Mas quem é Popper na fila do pão da democracia? Sua visão de “Sociedades abertas” é uma clara contraposição ao marxismo e ao totalitarismo, mas é um caminho de liberalismo burguês que conduziu o planeta à destruição que testemunhamos e ao neofeudalismo corporativo que se estabelece sobre o planeta.

Não esqueçam que a “intolerância com os intolerantes” é o mantra das forças de ocupação de Israel, que usam dessa mesma lógica para dizimar os “intolerantes palestinos”. Na Arábia Saudita cabeças rolam contra “intolerantes” que atentam contra o poder absoluto de seus monarcas. No Brasil essa estratégia será usada sempre que houver vozes contrárias à democracia burguesa, controlada pelas corporações e a elite financeira. Esse é o principal tropeço: não perceber que essa censura a certos termos, temas e expressões serve sempre aos poderes constituídos. É uma manobra intrinsecamente conservadora.

PS: Sim, Alexandre de Moraes tem méritos em salvaguardar a nossa frágil democracia, mas não fez nada além da sua obrigação de punir como crime o que realmente é crime. Todavia, acreditar que ele é o guardião moral dos nossos valores democráticos – nem a pau, Nicolau. Ele representa os velhos valores da direita, o conservadorismo e a perspectiva punitivista mais anacrônica do direito. A distância entre Alexandre e Moro é muito menor do que imaginamos, e inclusive o primeiro já deu total apoio ao segundo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Comiseração

Sentir pena é um ato de arrogância, pois significa colocar-se acima daquele que sofre. Já entender o crime dos culpados é aceitar que a ninguém é permitido julgar, pois que é necessário calçar os sapatos de quem errou e andar com eles sete vezes sete mil quilômetros antes de apontar dedos acusatórios. Por outro lado, defender as vítimas é acolher sua dor e oferecer-lhes a justiça, jamais a vingança.

Nya Dnar, “Eclipse of a Star” (Eclipse de uma Estrela), ed. Perdue, pág. 135

Nya Konigsberg Dnar nasceu em Praga, na República Checa, no dia 2 de fevereiro de 1965. Com pouca idade demonstrou ser uma criança muito vivaz e inteligente, e com quatro anos de idade aprendeu sozinha a ler e escrever. Com oito anos começou a escrever histórias curtas, pequenos contos e relatos em formato de crônicas. Em 1984 graduou-se em Pedagogia e História. Nesse mesmo ano ingressou no Instituto Nacional de Cinema para estudar roteiro, diagramação e direção de arte. Em 1986, com 21 anos recém completados, emigrou para os Estados Unidos para seguir carreira como roteirista e diretora de cinema. Nos estúdios de Hollywood conheceu inúmeros diretores que foram inspiradores para sua trajetória, e de sua amizade com o diretor Brian de Palma surgiu o interesse pelas películas e histórias de suspense que tanto o caracterizaram. Casou-se com Frank O’Maley em 1989 e começou sua carreira de roteirista na Miramax, empresa fundada por Harvey Weinstein, mas sua história na empresa foi abruptamente interrompida pelos escândalos sexuais que envolveram o famoso produtor e diversas mulheres que ele teria assediado. Depois da queda e do descrédito da Miramax passou a dedicar-se à escrita tendo lançado uma biografia chamada “Os anjos vêm de Praga”, onde conta a sua vida como imigrante e roteirista de sucesso. Logo depois lançou um romance ambientado na Primavera de Praga, chamado “Não há flores em Valdštejnská zahrada”, sobre o amor conturbado de uma florista da cidade com um soldado russo. Publicou em muitas revistas feministas e de esquerda americanas, em especial sobre os temas do identitarismo e do aborto. Em “Epílogo da História Circular” ela transita por temas tão diversos quanto a revolução dos costumes e crônicas sobre mulheres e crianças desassistidas nos assentamentos de imigrantes na fronteira com o México. Seu último livro foi Eclipse of a Star ( OEclipse de uma Estrela”, que foi vertido para o cinema com Lana Forrest como Eleonora Dawkins, a revolucionária americana que luta na Ucrânia ao lado do exército russo. A direção é de Frank Wilcox e tem estreia prevista para 2024. Mora em Los Angeles.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Justiceiro

As prisões não precisam ser “colônias de férias”, por certo, mas igualmente não podem ser as masmorras medievais, imundas, superlotadas e desumanas que caracterizam o sistema prisional brasileiro. Inobstante os crimes que tenham cometido, todos os brasileiros – até os golpistas bolsonaristas – têm direito a um tratamento digno garantido pelo Estado. Não há desculpa pelo descaso com quem cumpre pena, e nada justifica que prisioneiros sejam tratados de forma humilhante. O Estado precisa dar o exemplo e não pode ser mais criminoso do que aqueles cidadãos que cometem delitos.

Quem aplaude as ações de Alexandre apenas porque ele agora aparece ao lado da civilização, mais cedo ou mais tarde perceberá que sua índole é punitivista e autoritária. Esse filme eu já vi: “cria cuervos y ellos te comerán los ojos”. Passada a urgência dos levantes fascistas e, na primeira oportunidade, o ministro todo poderoso vai agir como na Lava Jato ou na prisão de Lula: um agente do poder militar e um direitista embriagado pelo poder.

Não se deixem enganar pela máscara democrática que estes vingadores vestem. O voto de Alexandre a favor da prisão criminosa de Lula ainda está presente em minha memória. Não será essa a verdadeira persona do ministro, enquanto o justiceiro de agora é tão somente seu disfarce e sua estratégica dissimulação?

1 comentário

Arquivado em Política

Bodas

Minha filha veio nos avisar que hoje completamos 41 anos de casados. Ficamos surpresos com as mais de 4 décadas de convívio, mas não tanto quanto minha mãe ficaria, se ainda estivesse viva. Trago vivido na memória seu comentário para o meu pai quando comecei a namorar: “Isso aí não vai durar; ele não leva jeito pra essas coisas.”

Parabéns Zeza, pela excelente escolha. Você é a prova viva que mulheres inteligentes sabem escolher os melhores exemplares, extraindo deles toda a feiura para produzir, com o que sobra, filhos bonitos.

PS: Tese surgida na comuna: as mulheres usam seus genes para suavizar a a cara feia dos seus maridos, e assim agem ativamente para produzir filhos bonitos. Óbvio que eu discordei dessa ideia, mas depois de passar 24h pensando em um exemplo para contrapor, desisti. A genética tem sua sabedoria.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais