Pedro e os balões

Legenda alternativa:

“Todo mundo quer ser amado e aceito pelos outros, inclusive o Pedro, que é tão humano quanto todos nós. A diferença é que o Pedro descobriu que o preço a pagar pela aceitação dos outros é alto demais. Por isso, jogou fora muitas de suas ilusões e por isso mesmo conseguiu voar mais alto. Perdeu amigos e admiradores, mas só assim conseguiu se elevar para poder ouvir a opinião dos pássaros”.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Entrevista Amanda Nelson

  • What inspired you to become an obstetrician? 
    Many things, but the turning point was the birth of my children when I was a medical student at the age of 22 and 26 years old.
  • What was your training like as an obstetrician?
    Like a regular teaching hospital. Technocracy, focus on pathologies, emotional distance from patients, authoritarian attitude from teachers and preceptors and an interventionist perspective in childbirth.
  • In your area, what is the relationship like between obstetricians and midwives? Is there a collaborative relationship between physicians and midwives? 
    In my area, extreme south of Brazil, midwives are not allowed to assist births. Obstetricians assist almost all births since the complete “annihilation” of midwifery practice in the middle of the 20th century. Around 10 years ago a public hospital in my city opened a midwifery service, but with just a few midwives and with no support from doctors from the community. Midwifery has its real rebirth through the homebirth practice that I myself reinstated around 20 years ago with our team – obstetrician, midwife and doula.
  • If you could change one thing, anything, about maternity care (or healthcare in general) in the U.S., what would it be? 
    The simple modification of birth assistance, creating midwifery schools all over the country to (slowly, but consistently) replace all obstetricians that assist normal birth by midwives, putting all medical doctors and obstetricians to work solely in high risk and emergency obstetrics.
  • What advice do you have for a student midwife? 
    Keep your dreams, envision the best and be prepared for the worst.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevistas

Lugares

Certa vez uma amiga publicou uma foto “agressiva” em seu Facebook e recebeu imediatamente uma chuva de críticas. Eu achei que a foto era mesmo desnecessária, e que a reação das pessoas – embora grosseira e machista – era esperada diante do contexto preconceituoso em que vivemos. Seria como chegar na frente de uma comunidade pobre e começar a xingar e ofender os chefões da milícia e do tráfico. Um tiro seria uma consequência óbvia, mesmo sendo um crime.

Expliquei minha perspectiva para ela, que é basicamente essa: quando você se posiciona de forma contundente precisa estar preparado(a) para a reação. É pura ingenuidade imaginar que vai questionar poderes estabelecidos e as pessoas vão assistir impávidas. Não; a reação – inclusive violenta – é a REGRA e quem produz vanguarda precisa estar fortalecido ANTES de se aventurar. Os xingamentos que ela recebeu não poderiam produzir surpresa, mas deveriam ser absorvidos e reciclados.

Ela não aceitou a minha ponderação e ficou profundamente ofendida por não tê-la “defendido” e feito coro contra os que debochavam dela. Eu achei apenas que defendê-la seria infantilizá-la, ao estilo “Eu faço isso porque depois meu irmão mais velho vem aqui distribuir porrada em vocês”. Achei que ela estava preparada para o “backlash” que eu sabia ser inevitável. Não estava….

Depois disso ela passou a ser minha inimiga expressa, disparando rancor e ressentimento em todos os lugares que escrevia. Mais de uma vez recebi avisos de amigos em comum mandando prints e dizendo que eu deveria abrir um processo. Não, não me interesso por isso, até porque eu me acho razoavelmente preparado para dizer coisas sabendo que alguns (ou muitos) não vão gostar. Espero, sinceramente, que ela esteja em paz e que um dia possa me perdoar.

Foi este fato que me fez (re)pensar em Jiddu Krishnamurti e sua importante perspectiva sobre os mestres, as autoridades superiores e os gurus:

“Esta é uma das questões mais importantes. Invariavelmente, desejamos achar um instrutor, um guia, para moldar a conduta de nossa vida; e, no momento em que vamos pedir a outrem uma norma de conduta, uma maneira de viver, criamos uma autoridade e a ela ficamos escravizados. Atribuímos a tal pessoa uma alta sabedoria, extraordinária ciência. E com essa atitude gera-se, invariavelmente, o medo. E ela não determina também o disciplinamento de nós mesmos, de acordo com a autoridade de uma ideia ou pessoa?

Ora, não vos parece de todo fútil essa busca? Estar-se cativo na gaiola de uma disciplina, o ser impelido de uma gaiola (…) para outra, isso, evidentemente, não tem significação alguma. Assim sendo, devemos investigar por que buscamos. A busca pode ser um “processo” totalmente errôneo. Pode ser justamente um desperdício de energia.

Nenhum guru nem sistema pode ajudá-los a se compreenderem a si mesmos. Sem a compreensão de si mesmos, não tem razão de ser o descobrir aquilo que constitui a ação correta na vida que é a verdade.” (Jiddu Krishnamurti)

Buscar um “mestre” é procurar escravidão voluntária. Aceitar a posição de Guru é uma postura perversa que viola a autonomia alheia. “A mão que afaga é a mesma que apedreja”, como dizia Augusto dos Anjos, e assim ocorre porque o pupilo cobra do guru a absoluta fidelidade. No momento em que essa fidelidade é quebrada – quando se afasta de um ideal imaginário – ocorre a queda. A partir daí surge o ódio, a raiva, os ataques e o cancelamento. Em verdade, o pupilo exige o pagamento que considera devido pelo amor devotado. E o guru, envolto em um manto ilusório de saber, aceita essa relação movido pela vaidade e pelo poder sobre seus seguidores.

A regra, em minha opinião, é a permanente “desinstituição“. É a prática diária de fugir da posição de mestre, de guru, de professor, de proprietário de um “saber superior” ou de uma pretensa infalibilidade. É acostumar-se a falar o que pensa, em sintonia com sua consciência, a despeito do que as pessoas vão pensar, inobstante sua concordância, cultivando os inimigos e desafetos que naturalmente surgem quando se toca nos poderes sacramentados de uma sociedade.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Mentiras

“A maturidade apenas suaviza os jogos que fazemos e o teatro de nossas ações. Não há vida humana sem que nossas atitudes sejam apenas um pálido e distorcido espelho de nossos sentimentos. E, de uma certa forma, isso é o que nos torna humanos; sem essa distância nossas ações seriam enfadonhas e previsíveis. Mentir e mentir-se é tão essencial à alma quanto respirar.”

Jeanne Woolworth-Beeck, “Any Wheel”, ed. Pegasus, pág 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Poderes

Verdadeiras mudanças só ocorrem quando há transferência de poderes. Como em uma balança, para produzirmos equilíbrio é necessário que algum peso seja retirado de um lado e colocado no outro. Isso significa que alguém que se acostumou com impunidade e poder desmesurado terá de abrir mão de seus privilégios para que os desfavorecidos tenham espaço e voz. Esta mudança nunca ocorre através de concessões ou gentilezas, mas apenas com pressões e lutas. Esperar que os poderosos ofereçam algo graciosamente é uma ingenuidade de profunda força destrutiva.

No parto e nascimento – por fazerem parte da vida sexual das mulheres – todas as forças sociais profundas entram em conflito. Ali se vê a significância da estrutura patriarcal em sua expressão mais crua e, da mesma forma, não há como encarar estas disputas por espaço com ingenuidade. Todas as conquistas das mulheres na arena do parto precisam ser conquistadas e jamais serão ofertas generosas. É fundamental que as mulheres tenham consciência da necessidade de lutas coordenadas para terem seus corpos e suas decisões respeitadas.

O empoderamento e a autonomia das mulheres no parto só existirão numa nova economia de poderes, porém quem o perde não o aceitará de forma suave e tranquila e quem o ganha deverá aprender a usá-lo de maneira honesta e digna.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos