Usufruto

 

“A cultura enxerga o corpo da mulher como usufruto de todos, por isso é exposto, vendido, adorado, perseguido e manipulado. Já o corpo da mulher grávida é de todos, menos dela mesma. A sociedade diz: “A gravidez é um evento grandioso demais para ser confiado às mulheres. O fato de elas guardarem para nós os bebês não pode lhes garantir o direito de tratar seus corpos-cofres como bem desejam”.

Um corpo grávido é um bem social, e a grávida um estorvo e um risco ao nosso patrimônio.”

Ric Jones, “Atirem no Mensageiro – Crônicas à beira do abismo“, pág 135 (no prelo)

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Pensamentos

Muro

 

 

“O que me deixa triste desde 2013 é o fato que preciso refrear minhas críticas ao campo das esquerdas porque a bipolaridade do momento determina que se você questiona líderes ou práticas dos progressistas está automaticamente alinhado com o fascismo redivivo e o mais abjeto conservadorismo golpista que se apresenta no outro lado do espectro político.”

Ovner Messider, cientista político e artista circense. In “Poética da esquizofrenia”, pág 135

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Socialista de IPhone

 

Li e nas redes sociais:

Emilio Odebrecht falou de uma conversa que teve com o general Golbery do Couto e Silva, um dos ideólogos da teoria de Segurança Nacional da Ditadura. Na ocasião, Golbery fez uma descrição do ex-presidente Lula que marcou Emílio Odebrecht: “Emílio, o Lula não tem nada de esquerda. Ele é um bon vivant”.”

O grande erro e o monstruoso preconceito da direita é (ainda!!!) imaginar que um homem da esquerda ou um socialista não pode ser um “bon vivant” ou usar IPhone. Por quê? Por que Lula não tem o direito de gostar de um bom vinho ou um bom charuto? Onde está a incoerência? Onde está escrito que um socialista não pode usufruir o que seu trabalho lhe proporciona? Que leitura equivocada e pervertida do socialismo tem essas pessoas!!!!

A direita precisa abandonar o discurso dos anos 60 o quanto antes. Sério, gente… tá chato.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Médico ideal

 

Sobre a produção do “médico ideal”:

“Desde a época da escola médica recebemos daqueles que nos orientam a ideia de que envolver-se com os pacientes era uma atitude “fraca”, “débil”, que demonstrava uma labilidade emocional e afetiva, a qual apontava para uma falha formativa. O subtexto dessa formação é que o “médico perfeito”, na concepção platônica, revê ser como o juiz: frio, duro, imparcial e sem qualquer esboço de emoção. Talvez esta seja uma conexão atávica com os antigos operadores, sem sangue nas veias e com nervos graníticos, que arrancavam pernas, cálculos vesicais e braços sem anestesia, olhando a agonia dos pobres enfermos sem mover as sobrancelhas.”

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Abusos

Estive circulando na medicina por 39 anos e as atitudes desrespeitosas e abusivas dos estudantes, residentes, preceptores e professores sempre ocorreram. Não acredito que exista uma “crise” real surgida há poucas semanas ou meses, mas apenas uma publicidade maior para um problema centenário. Não há nada que me faça pensar que na minha época de estudante a atitude dos alunos em relação a pacientes e familiares era melhor. Em verdade, lembro de alguns episódios que seriam impensáveis nos dias de hoje, tamanho o desrespeito e o desprezo com as mulheres, em especial.

O que temos agora são mecanismos mais rápidos e eficientes de disseminar a informação e uma cultura mais madura para denunciar abusos, mas o comportamento dos estudantes e médicos continua o mesmo das últimas 4 décadas.

O problema pode ser melhorado com a vigilância sobre a formação e o reforço de conteúdos éticos na faculdade (nada a ver com ética médica, que tem muito mais a ver com Maçonaria e lealdade corporativa), mas nada vai mudar de verdade sem questionarmos quem são os brancos (87%) classe média alta (80%), filhos ou irmãos de médicos (40%) que constituem o corpo discente da maioria das faculdades de medicina do país.

Esse perfil de entrada é a base para entendermos o brutal fosso de valores, ideias, visões de mundo, perspectivas e posturas que separa os médicos do universo de pacientes que são por eles atendidos. Sem que essa distância seja encurtada toda e qualquer transformação será apenas parcial e/ou paliativa.

Não basta aumentar a carga horária da disciplina de deontologia médica para “passar uma cal branca sobre a casa rachada“. Não é com este tipo de atitude que vamos fazer uma revolução paradigmática. Precisamos debater que médicos queremos e quem estamos formando. Como bem sabemos, os médicos chegam à faculdade egressos de um estrato social completamente diverso dos pacientes que virão a atender, mas a escola médica, ao invés de tentar consertar este desvio e esta perversão ainda reforça os preconceitos, assim como a visão classista e excludente dos alunos. Os exemplos vem de cima; o preconceito é uma cátedra sem professor titular, mas que todos os alunos conhecem desde o primeiro dia do curso. É por isso que as pessoas que já conviveram dentro de uma faculdade de medicina não se espantam com o relato de doutores recém formados (ou não) desprezando enfermeiras, doulas e funcionárias(os) ou tendo atitudes absolutamente machistas e abusivas com os pacientes, os mesmos a quem juraram proteger e curar. Esse ainda é o padrão de uma corporação que insiste em se manter na Casa Grande.

Minha sugestão – e desde já deixo claro que ainda utópica e sonhadora – é a criação de uma instituição que existe em outros países, se não me engano a França: a “Ordem dos Pacientes” ou o “Conselho Federal dos Pacientes” que se ocuparia de receber as queixas de pacientes e estaria a serviço da sua proteção contra erros e equívocos de hospitais e profissionais de saúde. Pedir que os médicos façam o controle de seu próprio trabalho é ingenuidade. Os conselhos servem para proteger a medicina e os médicos, e isso não é uma acusação aos conselhos diante dessa importante e essencial função, mas o reconhecimento de que ela não é eficiente para auxiliar os pacientes. O “caso Adelir” é um bom exemplo. Para mim seria importante criar uma instância extrajudicial que pudesse fazer essa mediação antes de que os casos fossem enviados aos tribunais, diminuindo as demandas e fortalecendo as negociações, sem ser movida por um caráter primordialmente punitivo.

Não parece interessante? Eu, por conhecer os tribunais e seus conselheiros, percebo o quanto é ingênuo imaginar que os conselhos  de medicina possam deliberar contra si mesmos, cortar na própria carne e agir contra os poderes estabelecidos, os quais sempre beneficiam a categoria. Não faz sentido. Quando sou confrontado com esta minha desconfiança eu sempre pergunto aos amigos: “Na última eleição para o Conselho de Medicina, em quem você votou?“. Claro que as pessoas sempre respondem que só médicos votam nessa eleição. Então eu respondo: “E por que você acha que os conselheiros médicos favoreceriam os pacientes ao invés dos seus próprios eleitores?

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina, violência