Arquivo do mês: dezembro 2015

Estímulo ao Parto Normal

Medico_Dinheiro

Se as últimas iniciativas da ANS – entre elas o pagamento triplicado para o parto em comparação à cesariana – efetivamente produzirem um incentivo ao parto normal, eu tenho algumas preocupações sobre o que acontecerá com a atenção ao parto na classe média, que é a mais afetada pela epidemia operatória na obstetrícia.

Pelo que percebo ainda existe muita falta de vontade e talento para atender partos normais. Partos são processos complexos, demorados, inesperados, com uma configuração absolutamente única e subjetiva, exatamente porque fazem parte da “vida sexual normal das mulheres”, como nos alertava o mestre Odent. Por esta razão não existirão jamais duas mulheres que vão amar, gozar, sorrir, chorar ou parir da mesma maneira.

Assim sendo, sem estabelecer uma leitura absolutamente SUBJETIVA de cada nascimento, como perceber seus ritmos e sua fluidez única? Como olhar para cada mulher como a primeira e última a parir naquele tempo, espaço e formato sem entender a singularidade do momento?

Parto é algo que acontece entre as orelhas“, como diziam as velhas parteiras. A atenção que damos a ele precisa de uma combinação complexa de elementos sutis como conhecimento técnico-científico, atenção, paciência, sensibilidade, disponibilidade e uma inabalável fé nas habilidades femininas de gestar parir. Como diria Max, é fundamental “acreditar que elas podem”.

Por reconhecer as complexidades e dificuldades da atenção ao parto tenho receio das iniciativas que apenas oferecem incentivos econômicos aos profissionais. Não há como se contentar apenas com este aspecto financeiro.

Tenho medo de testemunhar a multiplicação de ocitocina sendo aplicada, o anacronismo da posição de litotomia, o uso inadequado de forceps, de Kristeller e episiotomias gigantescas. Sem uma importante redefinição do que seja “parto normal”, e sua aproximação com nosso conceito de “Parto Humanizado”, poderemos ter muitos problemas com assistências equivocadas sendo realizadas.

Uma cesariana é como pintar uma parede; um parto é como pintar um quadro“, dizia Max. No primeiro precisamos pincéis, boa técnica e a repetição quase enfadonha de camadas de tinta sobrepostas, assim como na cesariana se repetem as camadas de tecido a recobrir o amnionauta na escuridão do claustro materno. No segundo, para além das tintas e pincéis, precisamos jogar nosso sentimento, nosso tempo, dedicação e alma, e estes elementos não são facilmente ensinados. O parto se configura como uma amálgama de inúmeros outros talentos, que transformam sua execução em algo que se aproxima da manifestação artística.

Espero que as medidas da ANS sejam acompanhadas de um questionamento mais profundo quanto à formação de profissionais e a multiplicação de atores – como obstetrizes e doulas – a compor o novo cenário da assistência ao parto.

Avanços precisam ser comemorados, sem deixar de reconhecer que muito mais há por fazer. Vamos pagar para ver. Minha opinião é que a taxa de cesarianas vai cair na abrangência da ANS. Na verdade eu creio que ela já estava caindo de forma MUITO sutil, quase imperceptível. Entretanto, o resultado – 2 ou 3 pontos percentuais, quem sabe 5 – está longe de ser satisfatório; ainda será vantajoso fazer três cesarianas em duas horas, mesmo ganhando menos. Além do mais, o assunto não se esgota na questão financeira. Existe um elemento essencial, mas dificilmente mensurável: a paixão.

Sem o transcendental é impossível entender o nascimento em sua manifestação plena. Sem o transcendental é impossível entender o nascimento. Sem tesão pelo parto não há solução. Oferecer a atenção ao parto aos profissionais duramente treinados na intervenção é pedir para que a fisiologia sofra a metamorfose para a patologia e essa, por sua vez, se transforme em intervenção.

Por isso peço a mudança da “fotografia”. Precisamos inundar o atendimento ao parto com parteiras profissionais (enfermeiras obstetras), obstetrizes e doulas. Mudar a face da atenção, assegurando às parteiras (midwives) o papel CENTRAL na atenção ao parto fisiológico. Essa atitude, muito mais do que mexer no bolso dos médicos, será capaz de modificar o panorama. De qualquer maneira, a troca da forma de pagamento se configura uma boa medida. Limitada, mas positiva.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Tragédias

ilustração-refugiados

 

O debate sobre tragédias recentes tende a ser pouco racional e com tendência à emocionalidade exacerbada tendendo à violência explícita. Isso a gente sabe de longa data.

Nos vários lugares em que fui marcado para debater um mau resultado recente em um parto domiciliar (deviam me marcar nas tragédias hospitalares também) os argumentos passavam por grosseiras, ofensas, escárnio, deboche, absurdas interpretações de texto e ataques constrangedores à língua portuguesa, sem que as questões básicas de medicina baseada em evidências, direitos reprodutivos e sexuais, autonomia feminina e – acima de tudo – o conhecimento MÍNIMO do que seja uma doula e suas atribuições, fossem respeitados.

Quando, após várias ofensas pessoais, um senhor (creio ser médico) me disse que doulas não passam de uma “idiotisse” eu pensei: “Chega”. Percebi que, com este tipo de abordagem e linguagem, não é possível qualquer debate que produza benefícios para a solução dos dilemas da assistência ao parto em um mundo de convulsões na questão de gênero, onde as mulheres não aceitam mais caladas nenhum “abre as pernas”, “deita ali” ou “cala a boca”.

Em casa ou no hospital.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Partos e Espelhos

 

 

espelho-espelho-meu

A forma como atendemos o parto nada mais é do que um espelho das próprias relações sociais. Em sociedades que prezam a dignidade humana, a justiça e a equidade o parto refletirá esses valores, através de condutas e atitudes respeitosas com as mulheres, com seus bebês e fortalecendo o vínculo que se estabelece entre eles no momento do nascimento.

Em contrapartida, em sociedades onde a violência – de todas as formas, em especial contra a mulher – impera, o parto reproduzirá estes elementos em seus rituais, para que ele se alinhe aos valores mais profundos desta específica sociedade.

O parto é, desta forma, uma imagem vívida das características profundas de uma cultura. “Diga-me como atendes os frágeis e te direi como és“. Desta maneira, as sociedades podem ser facilmente entendidas através da análise de como seus partos são conduzidos.

Sociedades justas e igualitárias produzem partos dignos; sociedades autoritárias e machistas propiciam partos marcados pelo signo da violência.

Para mudar a sociedade é necessário mudar a forma de nascer, mas para exterminar todos os traços de desrespeito na maneira como conduzimos o nascimento é preciso lutar pela erradicação de qualquer tipo de violência aplicada à mulher no seu momento mais sublime de trazer a vida

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Piratas

Depois da minha fala na Câmara de Vereadores de Porto Alegre ontem, no debate público sobre o projeto de lei das doulas, acompanhei meu neto Oliver até o corredor para pegarmos água no bebedouro que se localiza ao lado da entrada principal do salão. Logo ao chegar encontramos a simpática, jovem e enérgica vereadora Fernanda Melchionna, que veio me abraçar e agradecer as palavras de apoio ao projeto. Fernanda estava usando um curativo no olho direito, por uma lesão recente na córnea, o que deixou meu neto de quase 3 anos absolutamente intrigado. Ainda no meu colo, olhava fixamente para seu rosto tentando entender o que estaria faltando,Pirata o que exatamente não se enquadrava na formatação dos rostos humanos que ele se acostumara a decifrar.

– A titia fez um dodói, um machucado no olho. Mas já vai ficar bom, explicou ela.

Oliver continuava a olhar fascinado, tentando compor e dar sentido ao que seus olhos de criança enxergavam. Depois de alguns instantes de séria observação abriu um sorriso majestoso e disparou:

– Você é uma pirata!

Fernanda caiu no riso e eu também não me contive. Entretanto, ficou impossível não entender sua observação como plena de um sentido transcendental. Ele tinha razão. TODOS nós ali éramos piratas, aventureiros, apaixonados, guerreiros por uma causa grandiosa e nobre: a dignidade do nascimento. Oliver, com sua ingenuidade, acabou mostrando que a luta por vezes inglória e solitária para dar voz às mulheres e espaço ao feminino é uma batalha motivada pela indignação crescente com a violência obstétrica e a objetualização de mulheres no momento de dar seus filhos à luz.

Corsários tenazes, sofridos e marcados pelas feridas de batalhas, continuamos firmes na busca pela dignidade, garantindo em cada luta um pedaço a mais de terreno. Hoje podemos ver que conquistamos lentamente o coração e as mentes de adversários de outrora, o que nos mostra a justeza de nossos ideais e a importância de nossas lutas.

Parabéns às doulas pelo seu dia, e muito obrigado pelo maravilhoso trabalho realizado pelo resgate do nascimento como evento grandiosamente humano.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Pergunte

BRAN
Aqui está um breve manual de apoderamento sobre a saúde, que deve ser utilizado por todos aqueles que pretendem assumir o protagonismo de suas próprias vidas, em especial as gestantes que se encontram diante de dilemas importantes sobre o seu bem estar e suas escolhas.

Diante de uma intervenção médica qualquer, seja terapêutica ou diagnóstica, cabem os seguintes tópicos e perguntas ao seu médico, que podem ser memorizados pela sigla BRAN.

Benefícios: Quais os benefícios desse exame ou intervenção? Por exemplo: de que adianta realizar uma “transluscência nucal” se sou contra o aborto e esse exame não pressupõe nenhum tratamento? Quais os benefícios de fazer hemogramas, glicemia, exames de urina?

Riscos: Que riscos eu tenho ao marcar essa cesariana? Que riscos eu tenho em manter essa gestação para mais de 41 semanas? Qual o risco em fazer antibióticos profiláticos em uma bolsa rota?

Alternativas: Que alternativas eu tenho para essa medicação? Que outras possibilidades eu tenho às drogas para esta minha afecção? Que escolhas eu tenho diante das circunstâncias e contextos que se apresentam?

Nada: E se eu nada fizer, o que acontecerá? Se eu apenas aguardar, quais serão as consequências? Se eu apenas mantiver o curso natural das coisas, quais as minhas chances?

Sem essas perguntas talvez seu silêncio leve a uma perda de controle sobre sua saúde. E a alienação nunca será um caminho de crescimento.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto