Arquivo da tag: propaganda

Filantropos

Não há mais justificativa para negar que a filantropia em sua forma moderna, enquanto modelo empresarial, é a forma como os ricos e poderosos jogam migalhas aos pobres para que sua imagem seja melhorada e/ou aprimorada. Desde o início do capitalismo americano funciona assim, como nos ensinou John Rockefeller – o homem mais rico da história, que chegou a ser dono de 2% do PIB americano – jogando moedinhas (Dimes) para que as crianças na rua pudessem juntar. Era publicidade deslavada, tentando criar a imagem tão falsa quanto absurda de um “velhinho bondoso”. Na verdade se tratava de um dos lobos mais astutos e inescrupulosos do nascente império americano.

Todos esses sistemas de “ajuda aos pobres” só existem porque insistimos em um modelo capitalista injusto e que produz a brutalidade da iniquidade social. Nenhum país precisaria de ONGs para combater a fome, o analfabetismo ou as doenças endêmicas. Para oferecer este atendimento à população bastaria que os recursos PÚBLICOS fossem distribuídos de forma adequada e que não houvesse a concentração obscena de riqueza na mão de poucos capitalistas, que posteriormente devolvem uma fração minúscula de seus lucros como forma de publicidade, através de seus “institutos” e “fundações”.

É exatamente a perversidade desse sistema social e econômico que precisa ser combatida no século XXI. Quando a gente olha para estas instituições de ajuda à África, no combate à AIDs, à pobreza da América Latina, de proteção dos animais e de preservação da Amazônia e conhecemos os ativistas honestos e dedicados que dela participam, perdemos a noção do contexto amplo onde estas instituições são criadas, e ficamos incapacitados de perceber que a existência delas só pode ocorrer diante da falência do Estado. Sem a opressão sobre os povos e as desigualdades fomentadas entre os seres humanos nenhuma caridade seria necessária pois nenhuma filantropia faz sentido em um estado operante e que ocupe o posto de motor da distribuição equitativa de renda.

Enquanto isso não ocorre ficamos a mercê de seres desimportantes e sem brilho algum, como as primeiras damas de alguns Estados, as esposas de industriais que comandam fundações ou algum artista que tira milhões de seus seguidores e depois devolve uma parcela pequena – sempre para quem ele próprio escolhe, e não para quem mais necessita.

Os grandes filantropos americanos financiam Universidades pagas – como as da Ivy League – para que brancos de classe média possam estudar através de um sistema falsamente meritocrático, que sempre coloca em vantagem a classe que repousa sobre privilégios. Financiam também orquestras filarmônicas e museus (para a mesma classe), mas alguns fazem pior: estimulam pesquisas de medicamentos em negros e pobres africanos e da Ásia para serem posteriormente usados em brancos na América e Europa. Nada disso é bom, nada disso é adequado para a sociedade. Nada disso é justo e correto em uma sociedade que se pretende fraterna e justa.

“Caridade é ofensa; o povo quer – e merece – justiça social”.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Forte Apache

Quanta ingenuidade e alienação teve a minha geração que brincou de “Forte Apache”. Era uma passada de pano brutal e uma lavagem mental programada para que a população branca americana acreditasse na mentira – apenas muitos anos depois questionada – de que a “conquista do Oeste” foi uma colonização limpa e justa de “vazios populacionais”.

Nada disso; o “Forte Apache”(que eu muito brinquei na infância) era parte de um plano conduzido pelo cinema americano de transformar assassinos, torturadores, matadores de crianças, incendiários e ladrões de terra em “pessoas de bem”. Colonos que adoravam a Cristo e que tentavam levar sua palavra aos índios e suas “crenças primitivas”. E sequer é necessário ir longe: o mesmo se fez com os “Bandeirantes”, cruéis assassinos de indígenas, canalhas e genocidas que são hoje nomes de rua e tem estátuas distribuídas pela cidade.

Quando acreditamos na inocência desses brinquedos, com a crença de que eram apenas baseados em filmes de “bang-bang“, na verdade estamos nos referindo a um importantíssimo momento da cultura dos Estados Unidos alguns anos após o fim da Guerra. É o que os americanos tratam como “Wild West” ou “Far-o-West“, que diz respeito à conquista feita à Oeste anos após a guerra de secessão, do norte contra o sul. Este movimento expansionista levou cerca de 300 000 pessoas, oriundas do restante dos Estados Unidos e do exterior, para estas terras, pela descoberta de jazidas na costa oeste, mais especialmente na Califórnia. Foi exatamente esta descoberta que levou os “Pioneiros” (isso lembra outro seriado?) a migrarem em massa para estas terras inóspitas e selvagens (wild) para bem longe (far) no Oeste americano.

O problema é que essa trilha de pioneiros passava por cima de lugares povoados por inúmeras populações indígenas (first nations) como Cherokee, Navajos, Sioux, Comanches, Chippewa, Mohawks, etc, que foram dizimadas, mortas, queimadas e destruídas em uma verdadeira carnificina que nós celebrávamos inocentemente quando víamos “Daniel Boone”, “Rin-tin-tin” e “Os Pioneiros” na TV e depois brincávamos com o Forte Apache.

Esse brinquedo, assim como essas propagandas de brancos assassinos travestidas de seriados de TV, deveriam servir como amostra da crueldade humana, algo a ser tratado como grande vergonha planetária.

Não é por ser “violento” que o “Forte Apache” deveria ser debatido, mas por romantizar o genocídio das populações originárias da América, os massacres, as mortes e as torturas. Recomendo o livro de D. Brown: “Enterre o meu coração na curva do rio”.

A propósito: alguém acha que seria legal um brinquedo chamado “Hiroshima” que tem um “Enola Gay” sobrevoando uma cidade e uma rosa de fumaça para as crianças brincarem?

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Ecología íntima

Ok, eu concordo que está é uma discussão sem fim, complexa, emocional e por vezes desgastante. Está centrada nos valores mais fundamentais da maternidade e nos leva frequentemente a posições radicais.

Uma foto mostra um trio de mulheres lado a lado com seus bebês ao colo. Uma delas está amamentando ao seio, outra oferecendo fórmula láctea e uma terceira com alimentação parenteral. A mensagem implícita é óbvia: “não importa como foi, o importante é cuidar com afeto”. Pergunto: como não concordar com esta tese? Como negar que o elemento mais significativo que perpassa todas as mulheres desta cena é o afeto incondicional? Como não reconhecer na imagem a “fissura bizarra da ordem cósmica”, a qual chamamos amor?

Então…. por que apesar disso a imagem gera desconforto?

Eu creio que o que nos causa inquietude não é a mensagem explícita nas cenas de cuidado e amor. Não é a diversidade de manifestações de afeto, mas o que se esconde por trás do meramente manifesto, a mensagem sub-reptícia que nos leva a um ponto diferente das camadas mais superficiais da imagem apresentada.

A inquietude vem da idéia subliminar que perpassa, que exalta a banalização dos procedimentos, a valorização dos profissionais, a validade superior das tecnologias e a importância das intervenções médicas, carregando na chantagem emocional ao estilo “no fim o que realmente importa é o amor”. Fala da equalização de elementos díspares, tratando-os como se fossem, em essência, a mesma coisa.

Quem trabalhou no ativismo do parto mais de 3 décadas reconhece o mesmo tipo de mensagem nas publicidades que tentam tratar cesarianas e partos normais como se fossem formas igualmente válidas de retirar bebês do claustro materno. Todos sabemos onde essa banalização da cesariana nos levou.

Claro que o fim é importante; talvez o mais importante. Entretanto, o desprezo aos meios é sempre um erro, por ignorar o fato de que o processo de nascer é CONSTITUTIVO. Somos o que somos porque nascemos de uma forma bizarra, que estabeleceu uma criação ímpar e laços afetivos únicos como consequência.

Como diria Bárbara Katz-Rothmann “parto não é fazer bebês, mas também construir mães fortes o suficiente para suportar os desafios da maternagem”. Portanto, desprezar o processo de construção de uma mãe ignorando as características milenares que a formam jamais será uma atitude sábia.

Parir e amamentar possuem valor social exatamente por serem processos de grande superação. Se é verdade que podemos amar nossas crias sem parir ou amamentar (até mesmo sem gestar) também é verdade que o desprezo por estas etapas pode levar a consequências graves para os elementos formativos mais essenciais da espécie humana.

Parir e amamentar são processos em risco de extinção. Se nos preocupamos tanto com golfinhos e abelhas por que haveríamos de negligenciar de forma irresponsável nossa ecologia mais íntima?

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Preparos

Não acredito em “preparo” para maus resultados. Acho que isso é uma fantasia criada pelo mercado para produzir a ideia de que “se você souber antes poderá se preparar“. Qual o preparo precisa ser feito para receber um bebê com síndrome de Down? Qual a diferença de “adaptação” se você receber a resposta vinda diretamente do profissional imediatamente depois do parto? Você terá 40 ANOS para se adaptar a um filho sindrômico; os 5 meses de gestação não terão nenhum impacto positivo nesse processo.

A história desses exames tecnológicos sempre se faz através da criação de “necessidades artificiais”. “Você precisa de um carro novo“, “Você tem que comprar o novo IPhone“, “Você precisa ir para um hospital aparelhado“, “Você precisa fazer uma ecografia!!!“. Todas essas falsas vantagens de modelos novos e modernidades FALHAM de forma constante em demonstrar IMPACTO na sobrevida de mães e bebês, mas MESMO ASSIM as mantemos na cultura porque, porque, porque…

Ora… por causa do capitalismo. É exatamente esse direcionamento irracional que nos obriga a entrar na “roda da fortuna” para manter girando uma sociedade de consumo. Monitorização eletrônica, hospitalização, exames de ultrassom, roupas especiais, afastamento da família, camas elétricas, TV de plasma no quarto…. NADA disso produz qualquer melhoria nas taxas de morbimortalidade de mães e bebês. O impacto na saúde das pessoas é ZERO, e mesmo assim continuamos a investir em tais artefatos. Por certo que são rituais do mundo tecnocrático – padronizado, repetitivo e simbólico de valores culturais ou crenças – mas quando eles começam a entrar em crise e sua eficiência (con)testada surgem fantasias mirabolantes, verdadeiras maquinações publicitárias, para nos fazer crer que tais brinquedos tecnológicos realmente produzem benefício.

Um deles é dizer que as pessoas podem se “preparar” para um resultado negativo durante os poucos meses da gestação. A verdade para mim, depois de 3 décadas atendendo partos, é que as ecografias são parte fundamental da alienação da gestação para as mãos da corporação de profissionais. Reféns de clínicas e laboratórios, as mães vão paulatinamente perdendo sua autonomia e a capacidade de tomar decisões. “Por que você fez esse exame? Você sabe para que serve?” perguntava eu para as pacientes recém chegadas. “Meu outro doutor pediu, mas não me explicou para o que desejava“, respondiam elas, quase envergonhadas. Pior, era óbvio que o seu doutor também jamais havia questionado o uso de uma tecnologia moderna (como ultrassom) aplicada à gestação, porque os avanços tecnológicos são – na prática – inquestionáveis em medicina. Funcionam como Éditos da Santa Igreja, sobre os quais não cabe discussão.

As pessoas não conhecem a história toda das ultrassonografias. Quando me pediam transluscência nucal – porque “todo mundo faz” – eu respondia: “estás realmente disposta a ir até o final dessa jornada?”

Sim, porque a transluscência lhe dará um índice de risco, não a resposta definitiva. Se o exame vier alterado o médico lhe recomendará uma amniocentese. O exame será feito com 13 ou 14 semanas da gestação e sai caro. Só este resultado lhe dará razoável garantia de um transtorno genético (e, como tudo, nunca é 100%).

Só com 14 ou 15 semanas você terá uma resposta genética confiável e NENHUM aborteiro aceitará seu caso, mesmo pagando muito. Portanto, seus exames – de imagem e genético – não lhe ofereceram nenhuma resolutividade; terá de esperar igual. “Ahh, mas pelo menos agora eu já sei“, dizem alguns, mas eu duvido que essa informação produza efeitos positivos no sujeito, como já expus anteriormente.

Na verdade, as pessoas sucumbem à sua curiosidade e ao desejo de reforços externos à sua combalida autoestima. Como a chance de um resultado negativo em uma transluscência é por volta de uma em duas mil existem 1999 vezes em que o resultado é comemorado para apenas um resultado que produz tristeza. Quem faz essas ecografias escolhe o suspiro: são exames sedativos, mas também uma roleta russa com uma bala em um tambor de dois mil buracos. Atire… mas se a notícia ruim vier lembre que ainda há vários meses de gestação pela frente.

Esse exame serve para oferecer ao médico o poder de decretar se o seu bebê está (ou não) bem. Talvez seja possível dizer que, junto com a própria “primeira consulta” médica, este exame sela definitivamente a alienação dos pacientes das decisões que se seguirão, garantindo aos profissionais e suas máquinas mirabolantes o poder e a glória de fazer todas as escolhas por elas.

A alienação é oferecida de forma sorrateira e só quem é muito atento escapa dela, e mesmo assim pagando caro. Somos bombardeados por esses penduricalhos tecnológicos para que o mercado continue nos cegando à realidade cristalina que se esconde por detrás de tantas prateleiras: as mulheres querem que seus partos sejam atendidos por pessoas da sua confiança, com segurança e em um nível local, seja num pequeno hospital de sua cidade ou bairro, casa de parto ou em suas casas.

O resto é muito menos importante, por mais que a publicidade seja fulgurante e sedutora. Pense no pastel e no amor: o que é bom de verdade nem precisa propaganda.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina