Arquivo da categoria: Palestina

Porque apoio a Palestina Livre

Estudo a questão Palestina há 10 anos e não sou tolo de cair na armadilha do “antisemitismo”, como denunciou Norman Finkelstein. Ninguém mais pode cair nesse tipo de cilada. Israel é um país que foi roubado dos seus habitantes, um país terrorista que ataca mulheres e crianças palestinas. No último ataque a Gaza (2014) foram 2200 mortos sendo 500 crianças. Gaza não tem tanques, exército ou armas. Foi um massacre covarde contra a população civil!!!

Sou anti sionista SIM porque sou contra o racismo. Os palestinos na política de Israel são uma farsa, apenas usados para dar uma face democrática e enganar pessoas que desejam acreditar na falácia de um “Estado Democrático e judeu”, que nada mais é do que uma etnocracia,  assim como era a África do Sul. Os palestinos de Israel são “cidadãos de segunda classe” (como negros na África do Sul) e são proibidos pelas mais de 50 leis racistas a serem maioria no Knesset. Os 6 milhões de  palestinos não tem direito a voto!!!! Ser contra o modelo de limpeza étnica e extermínio palestino não é ser contra os judeus, da mesma forma que ser contra os nazistas não é ser contra os alemães. É preciso ACORDAR!!!!!

Vou citar apenas os meus heróis JUDEUS para que entendam mais sobre a questão Palestina e o neocolonialismo europeu no oriente médio que se baseia em limpeza e genocídio da população que lá vive há séculos. Apenas lembrem que NUNCA houve animosidade contra judeus no Oriente Médio antes da Palestina ser roubada em 1948. Os autores são: 

Illan Pappe

Max Blumenthal

Miko Pellet

Norman Finkelstein

Shlomo Sand

Gideon Levy e

Noam Chomsky

Se quiserem os não judeus leiam – e vejam no YouTube – George Galloway e o ex presidente americano Jimmy Carter. Sejam contra o racismo e combatam o genocídio promovido por Israel. Existem milhares de informações em vídeos e livros sobre o assunto!!!!

Ha muitos anos eu era como boa parte dos ocidentais que acreditavam em Israel, principalmente pela propaganda odiosa anti árabe do cinema americano. O documentário Reel Bad Arabs (tem no Youtube) abriu meus olhos para isso. Acreditava que Israel havia feito o deserto florescer, que era uma “ilha de civilização no meio da barbárie” e outras tantas falsidades criadas para justificar o Nakba – a catástrofe que se iniciou em 1948. Eram todas mentiras: Israel é a própria barbárie no oriente médio, a principal apoiadora do ISIS. Leiam sobre isso!!!!

Todavia, só consegui mudar minha opinião lendo os autores judeus que me mostraram a verdadeira narrativa Palestina e o roubo da sua terra. Foi com Norman Finkelstein e “A Indústria do Apartheid” que eu acordei para estas acusações toscas de antisemitismo para todos que defendem a Palestina. Foi com Miko Peled, o filho do General israelense, que eu entendi a segregação racial por dentro e compreendi a guerra de 67. Foi com Ilan Pappe que eu entendi a limpeza étnica da Palestina que foi arquitetada desde o século XIX. Foi com Shlomo Sand que entendi a invenção do “povo judeu”, que nada mais é que uma criação ficcional para justificar o extermínio árabe. Foi com Noam Chomsky, antigo defensor do sionismo, que entendi que não há nada de judeu em apoiar um sistema as assino e que sempre é tempo para mudar e recolher o lado certo da história. Foi assistindo “5 câmeras quebradas” que pude ver de perto a resistência pacífica dos palestinos e seu sofrimento sob a opressão.  E acima de tudo, foi através do aprofundamento nas leituras que pude tirar da frente dos meus olhos o véu da propaganda sionista e islamofóbica que me impedia de ver a realidade. Espero que este seja o caminho de todos que desejam a paz, até porque é absolutamente incoerente defender o legítimo direito dos índios brasileiros e negá-lo aos palestinos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina

Pax Israelis

 

 

Este tipo de proposta de paz, em que mulheres árabes e israelenses marcham pedindo paz na Palestina – a Pax Israelis – seria como se os romanos, na vigência do seu império de ocupação pelo mundo antigo, resolvessem fazer marchas pela paz juntando, lado a lado, mulheres romanas e mulheres de territórios ocupados. Esses movimentos apenas ressaltam a ingenuidade dos seus protagonistas. NENHUMA paz perene vai resultar de marchas, panfletos, discursos e lágrimas sem que se toque na ferida aberta do racismo, da exclusão, do apartheid, do confisco das terras, das operações genocidas, das prisões de crianças, dos bombardeios, dos check points, das humilhações e dos muros vergonhosos. As iniciativas pela paz só terão sucesso se atacarem DE FRENTE a questão sionista e o estado etnocrático que a sustenta.

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina

Free Palestine

Eu posso entender quando algumas pessoas se deixam seduzir pelas idéias carregadas de propaganda sionista por uma razão bem singela: quando eu era jovem pensava como eles. Acreditava nos mitos que eram trazidos pela mídia sobre Israel, em especial “a land without people for a people without a land”, ou “blossoming the desert”, “a Villa inside the jungle” e o pior, mais nefasto e mais mentiroso de todos: os “escudos humanos com crianças”.

Todas mentiras plantadas para justificar o Nakba, a expulsão de 750 mil palestinos de suas casas para criar uma colônia europeia racista e etnocrática na região. Eu acreditava nesses mitos até assistir há uns 10 anos um documentário no Festival de Cinema do Rio sobre a invasão do Líbano feita por um cineasta árabe. A conversa de 5 minutos que tive com ele depois da apresentação da película foi reveladora. Isso me acordou para uma nova realidade.

Um tempo depois assisti o fabuloso documentário (tem no youtube) “Reel Bad Arabs – How Hollywood Vilifies a People” e pude ver como os americanos inventaram a islamofobia .

Vejam aqui: Reel Bad Arabs – Completo

Depois comecei a escutar George Galloway – parlamentar britânico – e seu inglês impecável denunciando as atrocidades de Israel. Logo depois vi tudo de Norman Finkelstein (Holocaust Industry) e cheguei em Ilan Pappe (Ethnic Cleansing of Palestine). A partir daí comecei a ler os jornalistas que falavam dos massacres, e o melhor de todos é Max Blumenthal (51 Days War). Com isso pude entender a manipulação midiática sobre o sofrimento dos palestinos, da qual somos vítimas também. O grande problema para Israel é que o mundo inteiro está acordando para as atrocidades cometidas em no Oriente Médio e cada cidadão palestino que mora é um cineasta com uma câmera na mão e uma dor em sua alma.

Quando assisti “5 câmeras quebradas” pude finalmente entender a brutalidade da ocupação pelos olhos dos palestinos. Tenho esperança que, como eu e Miko Peled – ativista e escritor (The Son of the General) – muitos ainda poderão acordar.

Infelizmente, por causa da propaganda odiosa de Hollywood, ainda somos obrigados a testemunhar islamofobia à granel. Muitos, para acusar o islã, usam o argumento dos direitos das mulheres, o que é bizarro em se tratando de Brasil. Sabe como uma mulher palestina se sente ao ser espancada pelo marido? Ora, da mesma forma que uma cristã evangélica brasileira se sente ao ser massacrada pelo marido ao voltar do culto. Essa história de invocar a Sharia é para tolos ou sionistas; olhem como o Brasil mata gays e mulheres e parem de dizer que esse é um problema islâmico. Um pouco de informação não faz mal a ninguém.

Eu realmente viajei pelo mundo todo, mas NÃO visito Israel da mesma forma como não visitaria a África do Sul enquanto Mandela estivesse preso. Quando houver a libertação palestina serei o primeiro a visitar e celebrar a Palestina Livre.

Acho cômico alguém dizer que uma parte do mundo lhe pertence por “direito divino”, enquanto expulsa as pessoas que vivem há séculos no local. Eu conheço a história, as condenações da ONU, os massacres, as 550 criancas mortas no último ataque a Gaza. Também não estive no holocausto, mas isso não invalida os milhões de judeus mortos pela mesma lógica que agora massacra palestinos.

Provando que o planeta é redondo e dá voltas, hoje vemos mais uma vez o mesmo discurso fascista e de limpeza étnica de 1940. Quando se pedia ao mundo para olhar pelos judeus sob o controle nazista também virávamos as costas. “Eles que se entendam”, dizíamos. Milhões morreram pela nossa negligência.

Para confirmar que a espécie humana não tem gente superior ou inferior, agora é a vez dos colonialistas israelenses fascistas atacarem as populações palestinas, produzindo genocídio e limpeza étnica, com massacres contra Gaza que se repetem num período pré estabelecido e cíclicos. “Aparar a grama“, como disse um general israelense. Apoiar o genocídio é desumanizar-se, tratar a população original daquele lugar como sub humana e indigna de viver é crime contra a humanidade. Não sei a opinião de todos os pensadores israelenses sobre o conflito, mas sempre que vejo um israelense defendendo a ocupação covarde que lá impera eu lembro das pessoas que julgam brigas onde há um marido espancador dizendo: “os dois lados tem as suas razões”.

Não, genocídio planejado, colonialismo, expropriação de terras, limpeza étnica…. nada disso se justifica. A resposta do mundo civilizado só pode ser o BOICOTE sistemático a qualquer iniciativa israelense. Produtos, indústria, serviços, produção agrícola. Tudo, da mesma forma como foi feito com o Apartheid da África do Sul.

O apartheid da Palestina vai acabar quando cada um de nós perceber que o massacre dos palestinos (assim como no holocausto judeu) é um crime contra TODOS NÓS.

FREE PALESTINE!!!

: https://youtu.be/pIXOdCOrgG4

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina

Espiritismo conservador

O CORAÇÃO DO MUNDO. No prefácio da obra escreveu Emmanuel: O Brasil não está somente destinado a suprir as necessidades materiais dos povos mais pobres do Planeta, mas, também, a facultar ao mundo inteiro uma expressão consoladora da crença e de fé raciocinada e a ser o maior celeiro de claridades espirituais do Orbe inteiro. O autor da obra esclarece, na introdução: Jesus transplantou da Palestina para a região do Cruzeiro a árvore magnânima do seu Evangelho, a fim de que os seus rebentos delicados florescessem de novo, frutificando em obras de amor para todas as criaturas.(…)

 

Sobre o conservadorismo espírita – pelo menos como absorvi na infância:

Estou nesse momento almoçando com minhas amigas chinesas olhando o mar da China e posso imaginar no horizonte a Coreia do Sul. Da conversa me surge a lembrança de que a obra ufanista “Brasil coração do mundo…” é o que o espiritismo religioso tupiniquim mais produziu de semelhante ao nefasto sionismo. Na frase supra citada essa vinculação arrogante e pretensiosa fica constrangedoramente evidente: “Jesus transplantou da Palestina para a região do Cruzeiro a árvore magnânima do seu Evangelho, a fim de que os seus rebentos delicados florescessem de novo, frutificando em obras de amor para todas as criaturas“.

Nada pode ser mais inverídico e prejudicial ao Brasil do que ter uma crença como essa. A ideia de que o Brasil é o “coração do mundo” ou mesmo a “pátria” (????) do Evangelho me dá arrepios. Olho para as minhas amigas daqui e sinto vergonha de que ainda cultivamos a ideia de que somos superiores em algo, os escolhidos por Jesus (????), o povo que Deus escolheu. Por que deveriam os chineses ou os índios brasileiros se curvar a esse palestino?

A ideia de ser diferente e superior só produz morte, miséria e devastação. Não me sinto EM NADA superior ou inferior a qualquer país ou cultura e jamais aceitarei que o Brasil está predestinado a algo de bom ou ruim. O Brasil sempre será o que fizermos dele. A China também.

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina, Pensamentos

Holocaustos

Israelis

 

É inacreditável o que está acontecendo na Cisjordânia. Colonos sionistas celebrando um casamento com cartazes mostrando um bebê palestino queimado vivo em um ataque a uma vila palestina. Mas não foi um vídeo secreto que “vazou” para a Internet; foram imagens divulgadas abertamente pelos sionistas, orgulhando-se de suas ações assassinas.

Sempre tive essa curiosidade quando via filmes sobre o holocausto judeu na Alemanha nazista. Lembro de perguntar ao meu pai que, mesmo sendo um adolescente na época da guerra, foi contemporâneo das atrocidades na Europa. Ele me dizia que aqui não se sabia o que estava acontecendo com os judeus. Tudo que estava acontecendo nos campos de batalha foi conhecido muito tempo depois.

“Mas lá eles sabiam. Por que nada fizeram? Por que não impediram Hitler quando estava clara a sua perseguição a um povo?” perguntava eu, ingenuamente.

Eu tive que viver meio século para saber a resposta. O mesmo ocorre agora em Israel com relação aos palestinos, onde a população palestina é massacrada por fanáticos sionistas, e o mundo inteiro cruza os braços diante da barbárie.

O que me deixa mais envergonhado é saber do apoio dos grandes grupos evangélicos, os sionistas cristãos, a esse crime contra a humanidade. Edir Macedo e seu exército de seguidores idiotizados também são responsaveis pelas mortes e torturas. Os governos americanos, grandes financiadores de Israel, são os maiores culpados, mas o silêncio de cada cidadão do mundo é responsável pela destruição sistemática e insidiosa da Palestina.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Palestina