Arquivo da tag: anacronismo

Espiritismo e Racismo

Seria absurdo imaginar que a doutrina espírita não estivesse embebida no caldo cultural do século XIX. Está foi a época áurea do colonialismo europeu em África e Ásia, o qual causou milhões de mortes e produz repercussões até os dias de hoje.

Seria surpreendente que Kardec, diferentemente de todos os pensadores europeus do seu entorno, tivesse uma posição diferente do racismo “científico” de sua época. Esta vertente do modo de pensar do século XIX desembocou na eugenia que invadiu ainda boa parte do século XX e contaminou o pensamento de inúmeros literatos, cientistas e pensadores de várias áreas, em especial a medicina.

Portanto, o espiritismo nascente era mesmo racista, como era toda a cultura europeia no tempo de seu surgimento. Não há porque negar este fato. Por outro lado, é necessário fugir do anacronismo simplório e entender qualquer sujeito e todo ramo de conhecimento inseridos nos valores vigentes em seu período de aparição. Criticar o espiritismo de meados do século XIX usando as regras de hoje não é correto ou justo.

Cabe aos espíritas atuais não apenas rejeitarem este racismo, mas serem vigorosos combatentes anti racistas exatamente pelo estudo do ideário espírita, que ao desvendar a realidade do espírito deixa qualquer diferença moral e intelectual de raça e gênero como sendo tola e sem sentido.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Modas

ISSO SIM QUE ERAM MULHERES DE VERDADE

Basta aparecer uma mulher – ou um homem – vestido com as roupas dos anos 50 ou 60 para a gente dizer que no tempo atual perdemos nosso senso estético. “Naquele tempo as mulheres eram muito mais femininas”, é uma frase bem cliché para estes momentos.

Cada época tem sua beleza, e não há beleza superior pois que estas são construções sociais. Via de regra achamos mais bonitos os homens e as mulheres da nossa época, de quando descobrimos nossa sexualidade, ou até antes. Fixar-se na beleza e seus significados de uma época passada é natural, mas é apenas uma percepção subjetiva. Afirmar “no meu tempo é que…” só revela nossa dificuldade de adaptação a novas estéticas e novos valores, e não uma real qualidade das coisas do passado.

A moda, a música, os valores morais, são construções sociais, mutantes, dinâmicas e que refletem os valores sobre os quais nos assentamos. Não faria sentido que as mudanças sociais e tecnológicas não viessem a imprimir transformações na estética e nos comportamentos, mas isso não significa que as coisas de hoje são “melhores” ou “piores” do que as do passado, apenas que se adaptam às transformações e os entornos sociais.

A sociedade – o outro – dita as regras através dos costumes. Somos prisioneiros disso em certo nível. Por isso mesmo existem as “modas”, as “tendências”, no vestir, no falar, no pensar, na ciência, no próprio enxergar. Imaginar a absoluta independência do sujeito ao olhar da sociedade seria absurdo e irreal.

Em verdade é até possível arriscar um enfrentamento em alguns assuntos mais superficiais, como o tamanho do biquíni, a sunga de crochê ou o ritmo do momento, mas os valores mais profundos ligados ao patriarcado e ao capitalismo – vigas mestras da sociedade – são guardados de forma muito cuidadosa, pois que asseguram a estrutura da sociedade como a conhecemos.

Em tese um homem ou uma mulher se veste “como quiser”. Na prática são tantos os condicionamentos e barreiras que acabamos vestindo e usando os padrões ditados pela cultura.

As mulheres do meu tempo eram charmosas, elegantes e tinham sua sensualidade, mas é tolice dizer que hoje as meninas e meninos, envoltos em outros valores e contextos, também não a tenham. O melhor é aceitar que esta perspectiva é apenas minha forma particular de ver o mundo, e não “o padrão”, que lamentavelmente se perdeu no tempo.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Corporação

Sobre brigas na corporação…

Uma coisa sempre me chamou a atenção no comportamento dos médicos: nunca encontrei neles qualquer superioridade (ou inferioridade) moral ou intelectual quando comparados a qualquer outra profissão, mesmo as mais “humildes”. Médicos são humanamente imperfeitos como qualquer sujeito.

Isso me marcou desde o tempo de faculdade quando vi famosos professores da minha área fazendo fofocas mordazes para grupinhos de residentes atacando seus colegas de cátedra. Eu pensava: “mas… a vida na Academia é assim mesmo, como um recreio de escola?

Sim, sem tirar nem por. Esses personagens podem ser tão violentos e agressivos nas críticas quanto os piores políticos do baixo clero. Não havia nenhuma sofisticação neste grupo, o que foi um choque de realidade que agradeço por me alertar para a natureza humana.

Entretanto, apesar de achar natural que haja lados e perspectivas distintas a defender, eu acho curioso esse ataque à legalização do aborto por parte de setores da corporação. Sério que existem facções na AMB, no CFM e até na FEBRASGO contrárias à legalização do aborto? Agora a moda é atacar candidatos por serem favoráveis ao aborto seguro, “lenientes” com a “invasão” das doulas e por reconhecerem a existência de violência obstétrica. Mesmo?

Pois vejamos; ser contra as doulas é uma bobagem. Elas já ganharam o jogo, estão presentes em todo os lugares. Legislações municipais e estaduais se multiplicam. Lutar contra elas é perda de tempo, e a atitude correta é essa mesma: adaptar-se a essa nova realidade, firmar parcerias, regulamentar e assimilar. As doulas representam um avanço com embasamento científico e aceitação popular, uma viagem que não tem volta.

Quanto à violência obstétrica, o mesmo. Fingir que não existe é estupidez. Uma atitude sábia é reconhecer e, pelo menos, se comprometer em combatê-la. Negar é suicídio, tolice, burrice.

Ser a favor da descriminalização e posterior legalização do aborto não é uma questão moral, mas de saúde pública. Ponto. Os médicos deveriam estar na linha de frente da defesa desse DIREITO.

É triste ver como as organizações médicas frequentemente andam a reboque da história. Há alguns anos apoiaram descaradamente a candidatura de Aécio. Depois disso foram parceiros no golpe de 2016 e ainda agora associam-se ao bolsonarismo, assumem posturas anacrônicas como o combate à liberalização do aborto, a exaltação da Cloroquina, o desmonte do SUS e o apoio à um genocida na presidência.

Não acredito que a saúde do Brasil pode se fortalecer sem a presença de médicos comprometidos com o oposto destas posturas, que alguns integrantes de relevância nas suas entidades abraçam. Por enquanto a medicina brasileira está tristemente parecida com o pior de sua política.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Tempos

“No futuro, quando a sexo descompromissado exterminar com as relações monogâmicas e o casamento, todas as minhas ideias e meus escritos serão jogadas no lixo sob o pretexto de que eu não passava de um monogamista que defendia a escravidão sexual.”

Jeffrey Doll, “Sexuality in perspective”, Ed Fishbone, pag 135

Eu estava lendo o livro dele e encontrei essa frase. Todos os livros dele são maravilhosos em especial “Epiphany of a Dreaded Civilization”. Nessa passagem ele questiona os revisionismos históricos, quando o comportamento do sujeito de um determinado tempo é julgado pelos padrões morais de séculos à frente. No caso do livro, esta conversa ocorre entre o almirante Sebastián e o capitão LaCrosse e se refere a paixão fulminante deste último pela bela escrava angolana Latiffa, e o romance tórrido entre o marinheiro cinquentão e a menina de 16 anos. Sebastián, um cristão convicto e temente a Deus, defendia LaCrosse da acusação de adultério feita por seus colegas oficiais. Ao ser confrontado com as sagradas escrituras deixou claro que um homem só podia ser julgado em seu tempo e suas circunstâncias. Apontou para o corpo despido da menina e arrematou dizendo não haver uma só linha nas palavras de Deus que condenasse o amor de um homem por uma mulher.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Tempos e julgamentos

“Quando no século XXIII não existir mais nenhum traço de monogamia nas relações humanas você acharia justo que seus descendentes acusassem você de “forçar seu parceiro para uma vida de escravidão sexual através de uma abjeta exclusividade”?

… ou acha que as escolhas honestas obedecem os valores de seus tempos e circunstâncias?”

1 comentário

Arquivado em Pensamentos