Arquivo da tag: Jesus

Religião e alienação

“Ahh, mas o Brasil é o coração do mundo e a pátria do Evangelho. Há de existir uma intencionalidade dos planos espirituais para o nosso país. Não ficaremos órfãos de cristandade”.

Esse é o papo dos espíritas de hoje.

Sinto muita tristeza em dizer isso, mas uma improvável vitória de Bolsonaro nestas eleições levaria o Brasil à morte, à violência e, por fim, à confrontação em níveis nacionais. Não é uma ameaça, mas um temor bem fundamentado. A hipnose a que se submete o povo brasileiro não pode durar indefinidamente. Com o tempo – que vai depender da nossa consciência e poder de reação – teremos de despertar desse sono. A fome voltou, o desemprego não baixa, os programas sociais já foram exterminados, o desmatamento prosseguirá, o extermínio dos índios idem.

O ódio é o idioma falado pelos bolsonaristas nas ruas, vários ativistas de esquerda já foram mortos, inimigos (e ex parceiros) de Bolsonaro desaparecem, e o Congresso se verga às decisões que desejam transformar o Brasil em um fazendão, onde os latifundiários, os rentistas, os especuladores e os banqueiros terão sempre a última palavra sobre os destinos do país.

Estes assassinatos que estamos vendo agora poderão se tornar o padrão daqui por diante. A tensão entre o Brasil pobre e os donos do poder se acentuará e os conflitos inevitavelmente explodirão. Não há como conter o desencanto indefinidamente. O auxílio criminoso eleitoreiro vai acabar. Se Bolsonaro fosse eleito em janeiro tudo voltaria ao terror de sempre, mas aí já seria muito tarde.

Para os espíritas eu apenas posso dizer que Jesus era um socialista pregando revisionismo judaico e mobilização política para judeus que sonhavam com um levante contra Roma. Ele jamais foi o “governador da Terra”, uma afirmação corrente entre alguns espíritas iludidos com um pretenso destino especial deste país. Esse tipo de ficção ufanista agride a realidade dos fatos e nada mais é do que um dos mantenedores do nosso atraso social e econômico.

NÃO SOMOS ESPECIAIS. Nós brasileiros não somos melhores, não somos predestinados a nada. Construímos a estrada à medida que andamos. O Brasil foi o último país a exterminar a escravidão, o país que mais concentra renda na mão de poucos bilionários (que sequer vivem no país), temos a elite mais racista e perversa entre os países emergentes, e somos a nação que mais mata gays, pretos e pobres pelas mãos do Estado. Temos uma das polícias mais violentas do mundo e matamos mais brasileiros do que a guerra da Ucrânia, todo santo dia.

Não me venham falar de religião, de espíritos superiores, de Cristo apaixonado pelo Brasil. Precisamos extirpar a perversidade entranhada na estrutura de poderes deste país e isso é uma tarefa para este mundo, e não para o plano celestial.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Jesus e outros mitos

Para muitos estudiosos, a vida real de Jesus de Nazaré não passa de um mito.

Sim, é possível que Jesus – filho de Maria e José – não tenha sequer existido, como afirmam vários estudiosos, e com argumentos bem consistentes. Por outro lado, pode ser que o fato de não ser encontrado nos relatos de escribas até 1 século após sua passagem pela terra, tenha uma explicação bem mais simples, e muito mais plausível: Jesus foi – em sua época e no século que se seguiu à sua morte – absolutamente desimportante, assim como o foram os mais de 400 autoproclamados Messias de sua época, todos eles considerados “fracassados” pelo próprio povo judeu, que conectava a figura do Messias prometido à necessária libertação do jugo romano. Essa hipótese é interessante e bem razoável e, para aqueles que duvidam de sua possibilidade, temos aqui mesmo no Brasil um exemplo bem próximo e típico da “criação de mitos” que comprova o uso político de figuras do passado.

Sim, ele mesmo: Tiradentes. O alferes Joaquim José da Silva Xavier foi totalmente esquecido após sua morte e “ressuscitou” um século depois de sua execução, para ser usado como símbolo para os republicanos em sua luta para derrubar o império. Sua memória dormiu por cem anos e foi trazida do mundo dos mortos – com inaceitáveis cabelos compridos, barba e semblante crístico, criação do pintor Décio Villares – para ser usado politicamente, como o Cristo da mais “Nova República do Novo Mundo”.

A história de Tiradentes é uma cópia da própria narrativa de Cristo “o salvador”, com direito à um traidor, via crucis, apóstolos, a luta pela liberdade contra o opressor, a exposição pública de sua morte e a posterior sobrevida de suas ideias. Uma narrativa clássica dos heróis que pode ser encontrada em diversas épocas da história, e em várias latitudes.

Desta forma, assim como Tiradentes foi trazido de volta como mito para liderar um movimento político, por que o mesmo não seria feito com um obscuro palestino e sua mensagem direcionada aos pobres, miseráveis e oprimidos? Nada mais justo e lógico.

Se hoje Jesus pode ser visto como alguém que pegaria uma pistola para defender o direito à propriedade privada, por que não poderia ter sido de outras formas transformado – e até desfigurado – nestes 20 séculos passados desde a sua partida?

Ainda acredito que o “Jesus histórico” realmente existiu, mas suas lendas e mensagens são basicamente criações coletivas humanas produzidas por aqueles que o seguiram. Aliás, exatamente como fazemos com qualquer mito humano, de Zoroastro a Lula. Suas existências podem ser verificadas, mas suas obras são construções culturais carregadas de acréscimos e supressões destinadas a levar adiante projetos e visões de mundo do tempo em que vivemos.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

O Jesus do trezoitão

É importante entender o fenômeno que se espalhou pelo Brasil a partir de meados dos anos 80 com a chegada do modelo de negócios das religiões neopentecostais ao Brasil. Trazido e disseminado pelo Pastor Edir Macedo, em pouco mais de três décadas acabou conquistando legiões de “crentes” em todo o país a ponto de exportar sua tecnologia de conversões e dízimos para países da América Latina e África, em especial. Como característica desse movimento temos a base popular (é centrada na população mais pobre e deserdada), os ataques violentos às religiões de matriz africana, a leitura acrítica e fundamentalista da Bíblia, o conservadorismo nos costumes e uma clara adoção aos partidos mais à direita – incluindo aqueles francamente fascistas. É um dos mais importantes fenômenos sociais ocorridos nos últimos anos, em função da amplitude de sua atuação em diversos setores da sociedade, em especial na política.

É também essencial não permitir que este debate seja direcionado às crenças religiosas que estas religiões pregam. Nosso país tem a liberdade de culto como preceito basilar de sua constituição, e não cabe questionar os postulados de nossas inúmeras seitas – por mais que sejam conflitantes com as nossas. Portanto, não se trata de um debate teológico, mas sociológico, que vai se ocupar com as expressões destas religiões na cultura, para além do seu catecismo. E vamos deixar bem claro que a “questão evangélica” no Brasil (e nos Estados Unidos) não se restringe à denominação protestante ou àqueles prosélitos que seguem a enorme lista de pastores milionários. Infelizmente o problema não se esgota nos malandros e televangelistas, pois vejo – com tristeza e sem surpresa – que o mesmo modelo moralista e hipócrita ocorre em quase todas as seitas ligadas ao cristianismo.

O próprio espiritismo, que se propõe mais aberto, crítico e relacionado à busca de respostas sobre a essência do universo sem desprezar a ciência, não consegue se libertar de sua origem branca, europeia e de classe média, colocando-se ao lado das forças conservadoras e reacionárias que tomaram o Brasil de assalto através de um golpe juridico-midiático. A maioria dos espíritas que conheço adotaram a lógica punitivista, conservadora e reacionária que Bolsonaro trouxe à tona, fazendo coro com a grande massa de evangélicos que engrossam o público alvo do atual mandatário da nação. Posso dizer o mesmo de muito católicos e até mesmo de umbandistas.

Por certo que a realidade dos espíritas é muito diferente daquela dos evangélicos. O espiritismo não possui rede de TV, igrejas suntuosas, “exércitos de Jesus”, milhões sendo distribuídos para pastores e dirigentes, muito menos possui uma bancada no parlamento, o que torna os evangélicos um poder político e econômico através dos inúmeros tentáculos que se espalham pela sociedade. Entretanto, a retórica dos líderes espíritas muito se aproxima do que existe de mais raso e moralista no discurso evangélico. Escutar um espírita defendendo a “família”, “a moral”, os “costumes”, ou despejando conceitos conservadores sobre a sexualidade, pouco difere do que é dito nos púlpitos das mega igrejas protestantes. Um exemplo disso é a adesão do Chico Xavier ao regime militar de 64 e o apoio explícito e público de Divaldo Franco ao lavajatismo.

A resposta para isso precisa ser corajosa. É mandatório limitar, controlar e vigiar o poder econômico e político das igrejas. É necessário impedir que estas instituições sejam locais de lavagem de dinheiro e corrupção. Junto com a “questão militar”, a “questão da mídia” e o “judiciário” os evangélicos no poder são um dilema que o Brasil laico precisará enfrentar antes que o país se torne um Evangelistão mais cruel e dogmático que sua versão do oriente. Para termos um país livre deste tipo de opressão é preciso que as religiões sejam confrontadas em sua perspectiva reacionária, preconceituosa, racista e violenta, que aceita um Deus corrompido, agressivo e vingativo e um Jesus que, “só não andava armado porque não tinha onde comprar uma pistola”.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

O Comuna da Galileia

E no meio da multidão Tadeu e Josias debatem sobre os ensinamentos recém recebidos. Junto com tantos outros eles se aglomeraram na pequena vila na Palestina para escutar as palavras de Paulo, o Apóstolo dos gentios.

– Jesus? Não sei, nunca confiei. Mania de andar com pobre e puta. “Divida o pão e o peixe”? Qualé rapá? Achei dinheiro no lixo? Se ele acha mesmo que tem que dividir, por que não dividiu a túnica dele? Que ande pelado, aí sim quero ver. E viu como ele chegou em Jerusalém? Montado num burrico. Agora diga… comunista de burrico? Queria ver chegar a pé, cheio de bolha nos dedos. Vai pra Galileia!!! Depois que foi pra cruz e ressuscitou virou esquerdalha, mas tinha que ver o vinho que eles tinham na última ceia!! Coisa boa, importado. E tu acha que chamar Leonardo da Vinci pra pintar saiu barato? Esses caras cobram o olho da cara e só trabalham prá meia dúzia de riquinhos. “É arte moderna” dizem eles. Tudo comuna rabanete; vermelho por fora branquinho por dentro. Explica essa mané: se Roma é tão ruim assim por que todas as estradas levam pra lá? Agora diz aí quantos romanos querem vir morar na Palestina? Tem gente que se joga no Mediterrâneo pra chegar lá a nado e morre afogado no meio, mas me diz onde está o pessoal que prefere vir para cá, comer areia em Nazaré.

– Cara, são perspectivas, pontos de vista. Tenha calma antes de julgar. Agora fique em silêncio que o palestrante principal vai falar.

– É quem é?

– Não sei, mas é um operário sem dedo. Jesus costumava chamá-lo de “meu garoto”.

– Hummm, da pra sentir daqui o cheiro da mortadela. E essa multidão aí, tudo pago. Todos mamam nas tetas. Pode apostar que essa mamata vai acabar.

– Rapaz, você nunca vai entender, nunca…

Deixe um comentário

Arquivado em Humor, Política

Cristo

PPCV – Post Pequeno pra me Cancelar de Vez

Quero dizer que se Cristo voltasse à terra agora seria preto, pobre, moraria na comunidade periférica, trabalhador do IFood e filiado ao PCO, mas poucos estão preparados para essa verdade.

Ahhh…“Partido do Cristo Onisciente”? Pode até chamar assim, mas sua pregação seria (de novo) pela causa operária. Falaria em nome dos oprimidos, os pretos, os malditos, os miseráveis e os pobres. Apoiaria as put*s, os vi*dos e os trabalhadores precarizados mas seria de briga e de rua, enfrentaria policia racista e fascistas na porrada – e “tirando a roupa”.

Ele estaria na porta das fábricas e subindo em caixa de verdura no CEASA para falar para as massas. Seria um Cristo marginal, carismático, intenso. Uma mistura de Luther King, Che Guevara e Malcolm X. Aliás, três que, como Ele, morreram assassinados por seus opressores.

Seria um mais uma vez um Cristo da quebrada e do enfrentamento, e não um Cristo de amor e perdão. Mas… como eu disse, vocês ainda acreditam que ele seria loiro, de olhos azuis e pregaria a ideia fantasiosa de uma felicidade em outro mundo, longe daqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Política